Autores

Apicultura. O Lado B de Hélder Reis

Mel, pólen, própolis e abelhas, milhares de abelhas. Elas são o lado B mais proeminente de uma das caras mais reconhecidas da RTP, Hélder Reis. O apresentador também é escritor - tem publicados vários livros infantis, de poesia e de história de Portugal, e está a preparar o primeiro romance. Contudo, e apesar dos lançamentos literários profícuos, nos últimos cinco anos abraçou o gosto que diz sempre ter tido pela "terra, pela natureza, pela agricultura" e lançou-se com um sócio como apicultor. "Decidimos pela apicultura, que era muito pouco explorada, e quisemos vender mel e explicar os benefícios dos produtos da colmeia, o mel, o pólen e o própolis aliado a um conceito de lifestyle de passear e viver mais perto da natureza."

Veterinária. O lado B de Nena Barbosa, vocalista d'Os Azeitonas

ExclusivoA sonoridade da banda portuense Os Azeitonas tem um toque feminino, é a voz de Luísa "Nena" Barbosa. O seu papel na banda é vivido a meias com a sua profissão de veterinária. Saber qual destas vertentes é o seu lado B, não é fácil. E a resposta da cantora/veterinária não ajuda a resolver o dilema: "curiosamente a música e a veterinária surgiram na mesma altura da minha vida", conta Nena, de 35 anos. "Os Azeitonas nasceram em 2002, e achei piada a fazer parte de uma banda. Mas nunca pensei que nos tornássemos profissionais. Foi mais ou menos por essa altura que percebi que a veterinária era o outro caminho que iria percorrer." A gestão da dualidade entre a música e veterinária já vem dos tempos de universidade "fiz o curso a fazer cadeiras e concertos em simultâneo. Ia para os concertos e ensaios com calhamaços gigantes para estudar, e lembro-me de ir de direta, depois dos concertos, para os exames". E depois disso, algo que só a pandemia tem travado, continuou a conjugar as duas carreiras: "cheguei a ter concertos à noite no Algarve e trabalhar numa clínica em Vila das Aves pela manhã. Andava de avião de um lado para o outro, o que às vezes é complicado". Caso para aplicar sem remorsos o ditado popular de "quem corre por gosto, não cansa". Nena, que prefere gatos a cães, revela que algumas vezes canta enquanto está a cuidar dos animais. "Já cantei enquanto tratava de gatos ou cães que estavam nervoso e acalmaram. Faço-o instintivamente e os animais que odeiam os tratamentos relaxam". Aliás, há estudos científicos que compravam que os animais relaxam com música. A ciência e a arte de mãos dadas, como faz Nena tantas vezes.

Jardinagem. O lado B da atriz Liliana Santos

A atriz e modelo portuguesa tem um lado B que a acompanha desde há vários anos: a jardinagem. A culpa é da mãe. Palavra de Liliana Santos, 40 anos, que cresceu num apartamento onde existiam mais plantas "do que é normal", conta ao DN.Estavam por todo o lado, "até pelos sítios menos expectáveis". Mais tarde a mudança da família para uma nova casa trouxe um jardim. E isso quis dizer mais espaço e mais plantas e serviu também para Liliana começar a acompanhar a mãe a zelar pelo jardim. "É bom tratarmos das plantas e vermos a sua evolução." Hoje Liliana também cuida de árvores de fruto - tem bananeiras e limoeiros - e gosta da dinâmica de estar a cozinhar e ir ao jardim buscar alimentos. "É muito bom cultivarmos os nossos alimentos. Assim posso conjugar a jardinagem com o gosto que tenho em cozinhar." A jardinagem serve como equilíbrio para quando está em gravações. "E é um hobby terapêutico e não sinto as horas passar. Faço jardinagem sempre que posso, mesmo quando estou a gravar, mas com a quarentena acabei por me dedicar ainda mais." E flores preferidas?"Frésias, pelo cheiro especial. Mas também tenho rosas, jasmim, mais uma vez pelo cheiro, e estrelícias, etc." - o que mostra que quem sai aos seus raramente degenera. Conselhos para quem quer colocar as mãos na terra? Liliana Santos diz que se deve começar com passos pequenos: "Começar eventualmente por ervas aromáticas e por plantas dentro de casa. O gosto que temos ao ver as plantas crescerem depois leva-nos a ter mais."