Trabalhar para o boneco é a vida dos S.A. Marionetas. Há 18 anos

A maioridade da companhia de Alcobaça celebra-se a partir de hoje no Museu da Marioneta com uma seleção de personagens. Entre elas, os bonecos do videoclipe dos The Gift.

A história e enredo criados para o teledisco Question of Love, dos The Gift, em 2001, valeu aos S. A. Marionetas o prémio de melhor produção nacional de videoclips. As personagens deste filme são algumas, entre mais de uma centena, que estão a partir de hoje no Museu da Marioneta, em Lisboa, para a exposição "A Trabalhar para o Boneco", que assinala os 18 anos desta companhia.

José Gil, fundador e um dos três elementos atuais da S. A. Marionetas, sediada em Alcobaça, faz um exercício de memória e volta a 1997, ano do nascimento da associação cultural que viria a derivar na companhia de hoje, ao lado de um amigo, Jaime Leão (que entretanto já não está na S.A. Marionetas)."Queríamos uma estrutura profissional que não fosse uma companhia com tudo muito infantil, queríamos que fosse abrangente, familiar e adulto", explica, a horas da inauguração, marcada para ontem, às 18.30. Outro requisito obrigatório: "todos os textos tinham de ser originais". "Com exceção de um ou outro, todos os bonecos, estruturas, cenários e textos são nossos".

Os bonecos, o que fica de mais vísivel desse trabalho, o tal trabalhar para o boneco, estão agora na exposição. De fio, de vara, de luva, de diversos feitios e materiais. E sobre vários assuntos: História de Por tugal, Shakespeare ou espectáculos medievais. "Escolhemos os mais emblemáticos e diferentes, a nível de estilo e de assunto", diz José Gil. "E demos ao museu para fazer oa quisesse. Não tivemos controle na montagem", explica.

Em paralelo com a exposição, a companhia apresenta no dia 17, às 21.30, no claustro Convento das Bernardas, sede do Museu da Marioneta, a peça Inês de Castro, com marionetas de varão, e ambiente medieval a acompanhar: os bonecos são de pau e barro, iluminados a candeias de azeite e a história, como sugere o título, é sobre a mulher de D. Pedro. A entrada é gratuita.

Leia mais na edição impressa e no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG