Novo museu revela pormenores escondidos dos coches

COM GALERIA DE FOTOS. Novo edifício abre ao público no próximo dia 23, quando o museu faz 110 anos. Picadeiro Real mantém-se em funcionamento

Uma praça sob o edifício palafítico. Dois enormes elevadores de acesso ao primeiro andar no edifício principal. Lá dentro, as paredes são brancas e estão vazias. O chão é uma laje de betão de enormes dimensões. As janelas deixam entrar a luz solar em pontos precisos de maneira a não danificar os centenários coches. O Tejo lá ao fundo. Do outro lado, a cidade que se estende até ao Alto da Ajuda. Minimalista e gigante, tudo neste edifício, projetado pelo arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha e concretizado em colaboração com o ateliê de Ricardo Bak-Gordon, é diferente do agora edifício antigo, que fica do outro lado da rua, o antigo Picadeiro Real, onde o museu funciona desde a sua abertura em 1905. O minimalismo no edifício contrasta com os dourados trabalhados das viaturas. O passado e o presente a darem as mãos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG