Obra de Sassetti mantém-se viva com 'Maria do Mar'

Foi ontem exibida uma versão restaurada de 'Maria do Mar' (1930), de Leitão de Barros, acompanhada com música original do pianista e compositor.

Durante 12 anos Bernardo Sassetti trabalhou e retrabalhou a peça musical que lhe foi encomendada para acompanhar o filme Maria do Mar (1930), de José Leitão de Barros. Esse trabalho começou no verão de 1998 e uma primeira versão, feita para um agrupamento de câmara, chegou a ser apresentada em março de 2000 na Culturgest, em Lisboa.

Nunca plenamente satisfeito continuou a trabalhar nessa peça até esta ganhar uma dimensão bem maior, já pensada para orquestra, tendo gravado a versão definitiva só em 2010, ao lado da Orquestra Sinfonietta de Lisboa, dirigida pelo maestro Vasco Pearce de Azevedo.

De forma a assinalar a data do aniversário do pianista (que faria 43 anos), a entretanto criada Casa Bernardo Sassetti juntou-se à Cinemateca Portuguesa para a celebração que ontem se deu no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa.

Ao longo do seu percurso, Bernardo Sassetti mostrou ser um dos compositores mais empenhados a fazer música para cinema, e esse empenho traduz-se também na extrema sensibilidade em criar uma obra que não é um mero acompanhamento sonoro das imagens, mas que com elas cria uma relação intrínseca. Lembrando esse caso paradigmático que foi Alice, de Marco Martins, filme para o qual o pianista criou a banda sonora, hoje é impossível de imaginar dissociarmos aquela história trágica (protagonizada por Nuno Lopes) das composições minimalistas criadas por Sassetti.

O mesmo passa agora a acontecer com Maria do Mar. O piano ouve-se a solo ocasionalmente, mas a peça tem uma dimensão mais próxima da sensibilidade sinfónica. Além da música clássica, são claras as referências a temas de raiz popular portuguesa para dar cor à ficção documental de Leitão de Barros, sobre a vida piscatória na Nazaré das primeiras décadas do século XX.

Ontem no São Carlos a peça foi interpretada pela Orquestra Sinfonietta de Lisboa (dirigida por Vasco Pearce de Azevedo), com Francisco Sassetti ao piano e, em dois momentos particulares, Filipa Pais na voz.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG