Miúdos, hoje vamos passear por Lisboa. Ou Beja. Ou Edimburgo.

A Pato Lógico lança uma nova coleção com ilustradores de todo o mundo a falarem das suas cidades. Mas há mais editoras com guias de viagens destinados aos mais novos

"A meio caminho entre a minha casa e o trabalho, fica a minha esplanada preferida em Beja. Não sei dizer porquê, talvez pelos fins de tarde que ali passamos na preguiça, pelas noites de conversa ou talvez pelos jogos de futebol do europeu e do mundial a que ali assistimos a roer as unhas." A esplanada, no largo em frente ao tribunal de Beja foi o primeiro lugar que a ilustradora Susa Monteiro escolheu para fazer o guia da sua cidade, agora editado pela Pato Lógico que, assim, dá início a uma nova coleção, na qual cada ilustrador é convidado a partilhar os segredos da cidade onde mora.

Os livros da coleção A Minha Cidade não são realmente livros, são grandes mapas desdobráveis. E têm indicações de alguns sítios a visitar, mas também não são realmente guias. "Não queremos que sejam guias turísticos", avisa André Letria, o editor da Pato Lógico. "Queremos que sejam algo íntimo e pessoal. Que cada autor nos fale dos seus percursos, do seu café preferido, a livraria que costuma frequentar, onde é que passa as tardes. Tem mais a ver com o seu dia-a-dia na cidade." E, apesar de ter um mapa, não há fotografias nem informações muito práticas, como costuma haver noutros guias. "É um guia turístico de sofá", comenta André Letria. Uma criança desdobra o mapa, lê os textos, desfruta das ilustrações. "E imagina como será a cidade e como será viver naquela cidade."

As primeiras cidades da coleção são Beja e Edimburgo. A escolha também não é a óbvia. "Queríamos mostrar coisas desconhecidas e divertidas", explica André Letria. Era importante não começar por Lisboa nem pelas cidades mais procuradas pelos turistas. E, por outro lado, esta também era uma oportunidade para abrir a porta da Pato Lógico a ilustradores estrangeiros. O guia de Edimburgo é feito por Marcus Oakley, que vive e trabalha nesta cidade escocesa apesar de ser natural de Norfolk, uma região costeira no Sudeste de Inglaterra. "O primeiro sítio onde levo quem me visita em Edimburgo é a colina de Calton", diz o ilustrador que fala ainda do The Diggers, o seu pub favorito, e dos estúdios de tapeçaria de Dovecot, entre outros locais.

Na calha estão já um guia de Huesca, no norte de Espanha, pelo ilustrador Isidro Ferrer, e outro de Madrid, por Manuel Marsol, e talvez até um guia de Teerão. Ou seja, a coleção vai continuar muito longe dos autocarros dos turistas e sempre com desenhos de grande qualidade. "No verão, o Alentejo é amarelo e as temperaturas flutuam à volta de 40 graus", escreve Susa Monteiro, a ilustradora que nasceu em Beja e que é uma das fundadoras da Bedeteca e do Festival de Banda Desenhada que decorre neste momento e até 12 de junho na cidade. Nas noites de calor, Susa gosta de ir passear no Parque da Cidade. "Se olharmos para a luz dos candeeiros, vemos passar os morcegos, que logo a seguir se perdem no imenso céu estrelado."

À descoberta de Lisboa

Se querem guias mesmo, mesmo práticos têm de escolher os de Maria Ribeiro da Fonseca. Mãe de uma rapariga e de um rapaz (atualmente com 10 e 7 anos), Maria é uma viajante. Viveu muitos anos fora de Portugal e agora que tem uma família não prescinde dos seus passeios. "Seja nas férias, seja nos fins de semana. Vamos ao estrangeiro mas também viajamos muito no nosso país", conta. Foi depois de umas férias em Marrocos em que organizou um "diário de viagem" com a filha (que era então mais pequenina) que teve a ideia de fazer guias destinados às crianças. E não fez por menos, começou logo por Tudo Sobre Portugal (editado há dois anos). Agora, saiu um novo livro: Tudo Sobre Lisboa.

"Os meus filhos são ótima companhia. Adoram ver coisas novas. Mas ainda não têm o mesmo ritmo do que eu, ainda são muito pequenos. Por isso, tento sempre que as nossas viagens tenham um lado mais educativo mas também aproveito para ir contando histórias sobre os sítios e arranjo brincadeiras para eles se entreterem. E é isso que tento fazer também nos livros", conta a autora.

Ao fazer um guia de Lisboa, Maria Ribeiro da Fonseca quis, antes de mais, contar a história da cidade. "Não dá para contar tudo mas dá para contar muita coisa, porque a história está muito presente na cidade. E de várias épocas: dos romanos, dos árabes, dos descobrimentos..." A partir da história parte-se à descoberta dos locais, procurando sempre aquilo que é mais adequado para as crianças e estimulando a sua curiosidade. "Não queria que fosse um livro de história nem que fosse um guia exaustivo, procurei um equilíbrio." Em quase todas as páginas há desafios - para que os miúdos provem comidas diferentes, para que procurem uma obra de arte pública, para que tirem os olhos do chão e olhem para as janelas de Lisboa. E no final há um espaço para que os pequenos turistas anotem as suas impressões e colem as fotografias que tiraram. O guia está também disponível em inglês.

Viagens na minha terra

"A manhã começa com cheiro a terra molhada! Inês e Pedro sentem-se pequeninos perto da grande árvore centenária do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Durante a visita, ficam fascinados com o maior nenúfar do mundo, passeiam pelo jardim tropical e jogam às escondidas com os esquilos da Alameda das Tílias." É assim que Inês Prazeres começa a visita a Coimbra.
Inês é designer gráfica mas, depois de há quatro anos ter sido mãe, começou a interessar-se pela ilustração. Até que, num dos seus passeios pela cidade com a filha, teve a ideia de fazer um guia da cidade para ajudar as famílias a descobrirem os segredos de Coimbra. O livro sobre Coimbra, editado há dois anos, foi uma edição de autor, feita sem qualquer apoio.

"Foi fácil, porque é a minha cidade", confessa. No livro, tenta conciliar uma parte mais histórica com uma parte mais turística, contando pequenos pormenores e curiosidades que poderiam interessar mais as crianças. E escolheu duas crianças - Pedro e Inês, os mesmos nomes do par romântico mais conhecido da cidade - para conduzir a viagem. "Não é um guia no sentido em que não é um livro que diz às pessoas onde devem ir e o que podem ver." É um ponto de partida para uma verdadeira visita.

Depois desse, Inês decidiu fazer também um livro sobre Sintra e, já em parceria com o Turismo do Algarve, fez também um sobre esta região do sul de Portugal - o livro Algarve, Quem és Tu? foi lançado ontem. Agora, Inês Prazeres está super ocupada a terminar o guia Por Caminhos de Almeida, que será apresentado a 2 de julho. E tem projetos para continuar. "São livros que podem ser contados à noite, como quaisquer outros, mas que também podem servir de guias. A ideia é espicaçar as crianças e as famílias a não ficarem em casa."Todos os livros têm textos em português e em inglês.

Descobrir a cidade onde se mora é, para todos estes autores, a primeira viagem a fazer. E nem é preciso andar muito. Susa Monteiro aconselha uma ida ao jardim público de Beja: "O sítio ideal para levar as crianças ao fim da tarde, para passear ou ler um livro, para dar pão aos patos, para fazer um piquenique... Ou para estar simplesmente sentado num banco admirando as copas das árvores."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG