Nova editora de José Saramago conhecida na próxima semana

A obra de José Saramago terá uma nova chancela editorial "em meados da próxima semana", disse à Lusa José Sucena, curador da Fundação José Saramago, falando em nome das duas herdeiras do escritor.

"José Saramago, de modo nenhum, fica sem editora em Portugal. Estamos a analisar as diversas hipóteses que se estão a perspetivar, de há um tempo a esta parte, e esperamos encerrar as negociações até meados da semana que vem", afirmou José Sucena.

"Na próxima semana já teremos um novo editor", sublinhou o responsável.

A Editorial Caminho, que há 35 anos publicava as obras de José Saramago, informou hoje que não chegou a acordo com as herdeiras do escritor, a viúva, Pilar del Rio, e a filha, Violante Saramago Matos, para continuar a publicar a obra do Nobel da Literatura.

"As herdeiras de José Saramago e a Editorial Caminho informam que não foi possível chegar a acordo sobre as condições contratuais que permitiriam continuar a publicar, nesta editora, a obra do escritor", lê-se no comunicado assinado por Pilar del Río e Violante Saramago Matos, e também por Tiago Morais Sarmento e Zeferino Coelho, da Editorial Caminho.

"Cessa por isso, nesta data, a parceria iniciada há 35 anos, com a publicação de 'A Noite' (1979)", remata o comunicado enviado à agência Lusa.

Zeferino Coelho, responsável da Editorial Caminho, disse à agência Lusa que o fim do acordo com as herdeiras do Nobel da Literatura é "a notícia mais triste" da sua vida profissional.

"Se me perguntassem o que fazia, teria a tendência para dizer que 'sou editor de José Saramago'", afirmou Zeferino Coelho, sem adiantar quais as razões que levaram ao termo da parceria, limitando-se a afirmar que "são coisas que acontecem".

José Sucena também não revelou as razões pelas quais não foi alcançado acordo, afirmando apenas que "foi por mútuo consentimento".

"Chegámos a acordo que não podíamos continuar a conviver", limitou-se afirmar José Sucena, que elogiou o trabalho do editor Zeferino Coelho, referindo que esta decisão foi "dolorosa" para os dois.

Zeferino Coelho afirmou à Lusa que é "fã" da obra do escritor, de quem era amigo e que elogiou. Quanto ao facto de não se ter chegado a acordo foi, para o editor, "como se José Saramago tivesse morrido duas vezes".

José Saramago é autor de mais de 30 títulos, entre os quais os romances "O ano da morte de Ricardo Reis" e "Memorial do Convento", incluídos nos programas curriculares do Ensino Secundário.

José Saramago, falecido em junho de 2010 na ilha espanhola de Lanzarote, publicou praticamente toda a sua obra na Editorial Caminho, designadamente "A Jangada de Pedra", "Levantados do Chão", "O Evangelho segundo Jesus Cristo", "O Homem Duplicado", "Ensaio sobre a Cegueira" e o romance inicial "Claraboia", editado postumamente, em 2011.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG