Jorge Sousa Braga: "Um olhar especialmente atento às coisas da natureza"

O poeta Jorge Sousa Braga teve uma premonição e, ontem à noite, pensou mandar vir alguns livros em espanhol de Tomas Transtroemer, o poeta sueco a quem foi hoje atribuído o Nobel da Literatura 2011.

"Já estava à espera que isto acontecesse porque há alguns anos que ele era falado para o Nobel", contou Jorge Sousa Braga à Lusa. "Eu tinha mandado vir a obra completa dele em inglês e, ontem à noite, era para mandar vir os livros que há dele em espanhol, porque pensei que, às tantas, depois do Nobel já não arranjava o que queria. Mas não tive tempo..."

Sem tempo ainda para "ler com olhos de ler" a obra do sueco, Jorge Sousa Braga, que já traduziu um ou dois poemas deste Nobel, fixou alguém "com um olhar especialmente atento às coisas da natureza".

Outra coisa que lhe despertou a atenção foi o facto de "os últimos livros serem quase de haikus", o que o levou a procurar as obras dele "por ter um certo gosto pelas coisas orientais". Agora resta-lhe esperar que a obra não esgote.

Tomas Transtroemer, 80 anos, é o poeta sueco mais traduzido em todo o mundo. Começou a publicar poesia aos 23 anos e o seu primeiro livro intitulava-se "17 dikter" ("17 Poemas").

Publicou cerca de 15 obras numa longa carreira dedicada à escrita e venceu numerosos prémios literários, como o Prémio Literário do Conselho Nórdico, em 1990.

Exerceu a profissão de psicólogo até 1990, ano em que sofreu um acidente vascular cerebral que o deixou parcialmente afásico e hemiplégico.

Vive actualmente numa ilha e continuou a escrever, tendo desde então publicado três obras.

Em Portugal, Tomas Transtroemer está representado na colectânea "21 poetas suecos", editada pela Vega, em 1981.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG