Filme retrata a vida dos judeus em Portugal nos anos 1940

"Debaixo do Céu", que vai ser exibido na quarta-feira no IndieLisboa, recupera os relatos de sete judeus que procuraram refúgio em Portugal, durante a Segunda Guerra Mundial

Para manter a memória viva e para que não caia no esquecimento, o realizador Nicholas Oulman resgatou do passado a história de judeus que passaram por Portugal durante a Segunda Guerra Mundial, num documentário que integra o IndieLisboa.

Debaixo do céu , que é exibido na quarta-feira no festival de cinema independente, recupera os relatos de sete judeus que procuraram refúgio temporário em Portugal, porta de saída para o Ocidente, em fuga desde a Alemanha, onde foram perseguidos pelo regime Nazi durante a Segunda Guerra Mundial.

70 anos depois, Nicholas Oulman, filho de uma família francesa judia fixada em Portugal desde 1920 e que ajudou outros refugiados, quis encontrar e ouvir os relatos pessoais de alguns desses sobreviventes.

Estas pessoas têm uma visão sobre a vida que é incrível, porque depois daquilo que passaram em crianças tudo o que veio depois foi a cereja em cima do bolo. Alguns perderam a família toda, ficaram sem ninguém

No trabalho de pesquisa, foram encontrados cerca de 20 sobreviventes, todos eles com mais de 80 anos e a maioria a residir nos Estados Unidos. No filme entram sete - Lolita Goldstein, Pedro Kalb, Henny Porter, Eva Arond, Fred Manasse, Sylvain Bromberger e Ginette Horowitz -, que à época eram crianças.

"Estas pessoas têm uma visão sobre a vida que é incrível, porque depois daquilo que passaram em crianças tudo o que veio depois foi a cereja em cima do bolo. Alguns perderam a família toda, ficaram sem ninguém", contou Nicholas Oulman à agência Lusa.

O realizador quis fugir de um documentário convencional e montou um filme feito apenas de voz e imagens de vários arquivos, incluindo de Lisboa nos anos 1940. Só no final do filme é revelada a identidade dos sobreviventes.

"Eu queria mergulhar no passado e deixar que as vozes e o som nos guiem, e usar as imagens como complementaridade das histórias sem ser meramente ilustrativas, mas para criar um ambiente fantasmagórico, onírico e muito verdadeiro", explicou.

Para o documentário, recorreram a vários arquivos, entre os quais o do realizador norte-americano Steven Spielberg e o do Museu do Holocausto nos Estados Unidos, ao qual Nicholas Oulman doou as entrevistas completas feitas para o filme.

Na feitura deste filme, depois dos acontecimentos que vi nas notícias, parecia que não estava a mergulhar há 70 anos. Muitas vezes ligava o Telejornal e via exatamente a mesma característica das imagens que tinha pesquisado

Setenta anos depois do Holocausto, das perseguições étnicas e da morte de milhões de pessoas, Nicholas Oulman espera que filmes como o seu possam dar a conhecer aquela realidade a novas gerações e possam manter a memória viva, para que não caia no esquecimento.

"Na feitura deste filme, depois dos acontecimentos que vi nas notícias, parecia que não estava a mergulhar há 70 anos. Muitas vezes ligava o Telejornal e via exatamente a mesma característica das imagens que tinha pesquisado", lamentou, referindo-se a vagas de nacionalismo, populismo e xenofobia.

Debaixo do céu será exibido no IndieLisboa, a decorrer no cinema São Jorge, na quarta-feira e no domingo.

Nicholas Oulman também realizou curtas como Stolen Happiness (1993), A Little Tenderness (1995) e o documentário Com Que Voz (2009), sobre o pai, Alain Oulman.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG