Irão prepara resposta a filme 'Argo' de Ben Affleck

O Irão vai financiar um filme sobre a crise dos reféns norte-americanos de 1979, numa resposta à "visão deformada" proposta por "Argo", o filme de Ben Affleck premiado nos Globos de Ouro, informaram hoje os media iranianos.

"O argumento do filme 'Setad moshtarak' [os chefes do estado-maior, em farsi] foi aprovado pelas autoridades, e esperamos ter o financiamento para iniciar a rodagem", afirmou o realizador iraniano Ataollah Soleimanian, citado por meios de comunicação social.

O filme "conta a libertação de 20 reféns norte-americanos pelos revolucionários iranianos, no início da revolução" islâmica de 1979, adiantou Soleimanian.

Esta longa-metragem "pode ser uma resposta apropriada à visão deformada de certos filmes, como 'Argo', sobre os acontecimentos à volta da ocupação da embaixada norte-americana em Teerão a 4 de novembro de 1979, e da tomada de reféns", explicou.

Os ocupantes da embaixada estiveram reféns 444 dias, e a situação provocou o corte de relações entre os Estados Unidos e o Irão.

Realizado pelo ator Ben Affleck, "Argo" conta a rocambolesca e verídica história da retirada de Teerão de funcionários diplomáticos norte-americanos, que tinham conseguido fugir da embaixada dos Estados Unidos na altura da sua ocupação, e refugiar-se na representação do Canadá.

O filme obteve, no domingo, os Globos de Ouro de melhor realizador e melhor filme dramático.

O sucesso de "Argo", proibido no Irão, mas onde circulam numerosas cópias pirata, foi pouco comentado na imprensa iraniana.

O diário "7Sobh" (07:00 da manhã, em farsi) qualificou hoje a cerimónia dos Globos de Ouro de "maior cerimónia política da história do cinema norte-americano," e o filme "Argo", de "tentativa ridícula" de recriar o Irão de 1980.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG