Centenário da I Guerra Mundial feito música para ouvir no São Carlos

Concerto de amanhã (21.00) inclui obra sobre um texto de Saramago. Escolhidos alguns compositores que morreram na guerra.

O título Se non ora, quando? remete para o livro homónimo de Primo Levi (1919-1987), ambientado na II Guerra Mundial: "É um grande romance e uma reflexão dramática sobre o século XX - "o século breve", para Eric Hobsbawm -, atravessado por duas grandes tragédias, pela loucura das ditaduras e pelo nazi--fascismo. E Primo Levi viveu isso na primeira pessoa", diz-nos Paolo Pinamonti, assessor artístico do São Carlos. "O programa foi desenhado por mim, em colaboração com o maestro João Paulo Santos [que dirige o concerto de amanhã]. Foi dele a sugestão para abrirmos o ciclo a outros autores: por exemplo, as obras de Albéric Magnard e Rudi Stephan, no concerto de abertura, não têm uma relação direta com a guerra, mas um e outro compositores foram vítimas [mortais] da I Guerra Mundial". Esse par de obras, suspeita-o Paolo, "deve ser a primeira vez que são tocadas em Portugal, e se calhar a obra de Elgar [The Spirit of England] também!"

As partes 2 e 3 do ciclo ocorrem nos próximos dois sábados (22 e 29), sendo o último concerto ainda comemorativo dos 70 anos do Coro do São Carlos: foi em 1943, no auge da II Guerra Mundial.

Leia mais na edição impressa e no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG