Barreto Xavier critica palavras "não oportunas"

Isabel Cordeiro diz que deixa Direção-Geral do Património Cutural (DGPC) por "divergências profundas de estratégia". O secretário de Estado condena declarações.

Jorge Barreto Xavier considera que as declarações ontem feitas pela diretora-geral do Património Cultural "não são oportunas". Numa nota ontem enviada ao DN, o gabinete do secretário de Estado da Cultura afirmou: "Não deve um diretor-geral em funções manifestar-se publicamente nos termos em que a dra. Isabel Cordeiro se expressou."

Esta é a reação do governante à decisão tomada por Isabel Cordeiro em abandonar a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e que, segundo disse a responsável, em declarações ao jornal Público , se ficou a dever a "divergências profundas de estratégia". Ao que o DN conseguiu apurar, a ainda diretora-geral do Património terá tomado a decisão de sair da DGPC no fim de outubro e após grande ponderação.

"Não foi fácil chegar a esta decisão porque agarrei estas funções com muito entusiasmo e estou muito contente com o que fizemos até aqui, mas não podia ser de outra maneira", afirmou ao Público Isabel Cordeiro, adiantando que "há divergências profundas em relação às estratégias para o património". Terá sido com base nestas divergências que o lugar que Isabel Cordeiro ocupa há 14 meses fica agora livre até o concurso público que termina a 10 de janeiro "encontrar" um substituto.

Leia mais no e-paper do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG