A vida de livreiro nestes tempos em que "os gestores da gillette vieram gerir editoras"

Alguns pertencem "àquela geração que acha que o pequeno é bonito", outros não encontraram a livraria para todos e construíram-na. Sete pequenos e médios livreiros na era das grandes escalas.

Se desenhássemos estes livreiros e seus leitores teríamos Lisboa como fundo. Trace-se José Antunes Ribeiro na Avenida do Uruguai, em Benfica, numa cave onde os livros fazem a vez das paredes e do chão. No andar de cima a sua mulher Lúcia a limpar com toalhitas para bebés os novos livros velhos que chegam, como aqueles que uma vez apareceram à porta às cinco da manhã em caixotes - "são benfeitores anónimos" diz José - ou aqueles de "gente que vai emigrar". O gato Salvador a dormir numa cadeira de escritório. Pintem-se 45 anos de história naquele espaço onde tocaram Zeca Afonso e Carlos Parede, Mário Viegas recitou poesia e Natália Correia terá fumado o seu cigarro. E mostrem-se, hoje, os leilões diários que José faz no Facebook e que salvam as contas.

"Nunca é fácil conciliar os sonhos - que são os livros - com a realidade - pagar a renda, água, luz", diz José num tom pausado. Garante que "há mais gente a ler do que se diz, mesmo entre os jovens". Fala de um bibliotecário, 24 anos, do Algarve, cliente habitual dos leilões. Como fala do fenómeno daqueles que andam à procura de um "livro que leram em miúdos e gostaram muito e não sabem sequer o título ou o autor. "É um livro que tratava de não sei quê, e tal"". Imita-os num riso rasgado. José e Lúcia não saem dali antes da uma da manhã. "Só me falta dormir aqui", diz ele. Culpa, sobretudo, dos leilões, que já ultrapassaram uma centena.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG