Quer um passeio zen? Vá até Coruche

Até domingo decorre a 4.ª edição do Festival Internacional de Balonismo de Coruche. Uma oportunidade de fazer pela primeira vez (ou repetir) um passeio de balão de ar quente. Prometemos um passeio super relaxante.

O dia começa bem. Ainda é de noite quando saímos de casa a caminho de Coruche. O motivo? Um passeio de balão de ar quente. Uma oportunidade que está ao alcance de todos até ao dia 14. É a 4.ª edição do Festival Internacional de Balonismo de Coruche.

O subir aos céus - os passeios podem ir até algumas centenas de metros do solo - é tão, mas tão suave que uma pessoa quase nem se apercebe que está a levantar voo. Bem... o balão está a levantar voo.

É talvez a atividade perfeita - ou uma das - para relaxar. Seja pela suavidade da descolagem, seja pela altura do dia - os voos são feitos apenas ao nascer ou pôr do sol - seja porque há toda uma calma associada a um passeio de balão de ar quente.

E não há porque ter medo. Os voos são realizados apenas quando as condições atmosféricas são de feição - diga-se bom tempo, sem ventos fortes, etc. Porque, como qualquer piloto o afirma - e Carlos Palmeiro, o piloto que acompanhou a equipa do Diário de Notícias, assim o confirmou - a segurança dos passageiros está acima de tudo. Mesmo assim, para quem tem receio pode sempre optar por uma primeira experiência no balão que está ancorado ao solo - ou batismos de balão estático. Atividade que, além disso, é gratuita. Aposto que, depois desse primeiro voo, muitos outros se seguirão. Mesmo porque é uma forma diferente de ver o nosso Portugal.

Há ainda um outro aliciante. Sabia que há outras formas de balões de ar quente para além das circulares (ou em formato de gota, para se ser mais precisa)? Este ano, por exemplo, poderá encontrar um galeão - que remete imediatamente para histórias de e com piratas - e uma mota de competição.

Esta é uma atividade que todos os dias ganha adeptos. Portugal é considerado um bom local para fazer os passeios. Seja pelo bom tempo, seja pela beleza natura dos locais. No caso de Coruche podemos ter uma vista única do Montado. Algo que não se conseguira de outra forma.

Hoje é já uma tradição ir, de madrugada, até Coruche. Há passageiros repetentes. Mesmo porque o programa conta também com outras atividades, como encontro de carros e motas clássicas, concertos, mostras de artesanato... e, claro, comes e bebes.

E não foram apenas os portugueses que aderiram a esta tradição. Há já estrangeiros que todos os anos vêm a Coruche de propósito para o Festival. Nomeadamente os pilotos, que aproveitam o bom tempo para fazer passeios que não conseguiriam fazer no país de origem. Um exemplo? A Holanda.

Se mesmo com toda esta descrição não o conseguimos convencer a ir, este fim de semana, até Coruche só nos resta apelar à vista. É que a vista lá de cima é qualquer coisa de espetacular. A cá de baixo, quando se está a preparar os balões também é interessante, mas nada bate o ver os vários balões, todos coloridos, a passear pelo céu.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG