C40 Recharge: este é o primeiro dia do resto da vida da Volvo

O recente lançamento do novo SUV coupé elétrico da Volvo representa uma mudança de paradigma para a marca em muitos aspetos, sendo o principal a preocupação com o impacto que os automóveis têm no meio ambiente.

Não basta equipar um automóvel com um motor elétrico e baterias para dizer que não é poluente. O CEO da marca sueca, Pehr G. Gyllenhammar, foi o primeiro responsável de um fabricante automóvel a assumir, ainda em 1972, que a sua indústria estava a contribuir para a poluição do ambiente. A Volvo assume assim ser parte do problema, mas quer ser também fazer parte da solução.

Ainda estamos longe da solução encontrada por Doc Brown, o cientista no filme Regresso ao Futuro, onde o seu DeLorean converte lixo em combustível, mas a Volvo está determinada em construir automóveis sustentáveis e o C40 Recharge é para já um dos meios para atingir esse fim. É o primeiro automóvel da marca que não incluirá pele de origem animal no seu interior, não só por causa da crueldade, mas também porque a transformação das peles é das indústrias mais poluentes e que mais água consome. Há ainda uma forte aposta na utilização de peças recondicionadas e na seleção de fornecedores eticamente responsáveis.

O exterior é onde o C40 se diferencia do seu irmão XC40, ao assumir uma silhueta coupé definida pelo ângulo da linha do tejadilho. Já no interior encontramos mais semelhanças, diferindo sobretudo no design do tabliê e na utilização de materiais provenientes da reciclagem de rolhas de cortiça e garrafas de plástico com um feeling premium pela sensação ao toque.

O espaço a bordo não é referencial no segmento, por causa da utilização da plataforma CMA, que por uma questão de custos está pensada para receber também motores de combustão como é o caso do XC40. Os dois carros são montados na mesma linha de montagem, como pudemos comprovar na visita à fábrica em Ghent, na Bélgica. Ainda assim há espaço disponível para acolher quatro adultos muito confortavelmente, sendo o lugar do meio do banco de trás penalizado pela existência do túnel de transmissão reservado ao irmão XC40 que ainda monta um motor de combustão.

A bagageira disponibiliza 480 litros e na frente ainda há um compartimento com mais 30 litros, onde se podem guardar os cabos de carregamento.

Conforto e silêncio

Conduzimos o C40 Recharge na única versão disponível para já, a Twin com 300 kW (408 cv) e 660 Nm, dois motores elétricos, um em cada eixo e tração integral, que será também a que virá para Portugal. O conforto e o silêncio são absolutos, bem característicos de um automóvel elétrico. A performance é a espectável e ao pisarmos o acelerador ficamos colados ao banco enquanto o C40 Recharge atinge os 100 Km/h em 4,7 segundos. Nada mau para um carro com mais de duas toneladas!

Para alimentar estes dois gulosos motores elétricos temos uma bateria de 75 kWh efetivos que garante até 441 km de autonomia e pode ser carregado dos 0 aos 80% em 37 minutos num posto de 150 kW ou em oito horas numa wallbox de 11kW. Durante o nosso teste sem preocupações com consumos fizemos uma média de 20 kW/h, o que dará para uma autonomia de cerca de 400 Km, não muito longe do anunciado pela marca. Não há modos de condução, mas se a autonomia for uma preocupação podemos selecionar o Range Assist para garantir que temos bateria suficiente para chegar ao destino.

Os clientes de automóveis elétricos dão muita importância ao software, ao interface e à integração com o seu smartphone. A Volvo percebeu isso e deu aos clientes algo que estão habituadas a utilizar no seu dia a dia: um ecrã que replica o formato ao alto dos smartphones com um sistema operativo Android específico para automóveis, em que até podemos instalar as apps que mais utilizamos. A integração com o smartphone é total e a experiência de utilização com o software de navegação Google Maps é das melhores do mercado. Dependendo dos mercados, a Volvo disponibiliza ainda atualizações over the air e dados ilimitados.

O C40 Recharge marca uma nova etapa na vida da Volvo ao representar simultaneamente o compromisso com o fim dos motores de combustão e uma produção livre de pegada de carbono e sustentabilidade. É o primeiro dia do resto da vida da marca.

Ficha técnica:

Motor: dois motores elétricos, um por eixo

Aceleração (0-100 km/h): 4.9 s

Potência: 300 kW/408 cv

Velocidade máxima: 180 km/h

Tração: Integral

Capacidade útil da bateria: 75.0 kWh

WLTP Autonomia: 420 km

Bagageira: 480 L

Peso: 2185 Kg

Mais Notícias

Outras Notícias GMG