Tipo de sangue pode ter um papel importante na defesa ao coronavírus

Estudo realizado por laboratório de testes genéticos concluiu que as pessoas com o tipo de sangue O têm melhores defesas e mais raramente contraem o vírus

O tipo de sangue desempenha um papel importante na defesa ao novo coronavírus. A conclusão resulta dos resultados preliminares de uma investigação realizada pela empresa de testes genéticos 23andMe, em que os especialistas descobriram que diferenças num gene, o ABO, que influencia o tipo sanguíneo, podem afetar a suscetibilidade ao SARS-Cov-2.

Os resultados preliminares de um estudo iniciado em abril passado, conta o jornal El Mundo, sugerem que as pessoas que têm sangue tipo O estão mais protegidas contra o novo coronavírus .

Os cientistas da gigante da biotecnologia, com sede na Califórnia, realizaram 750.000 testes (e o estudo ainda decorre) para analisar os fatores genéticos e assim tentar determinar qual a razão que leva algumas pessoas que contraem o novo coronavírus a não apresentarem sintomas, enquanto outras ficam gravemente doentes.

De acordo com dados publicados pela 23andMe, pessoas com tipo sanguíneo O têm 9% a 18% menos hipóteses de ter resultados positivos a Covid-19 do que pessoas com outros tipos sanguíneos. Estes resultados mantêm-se quando ajustados por idade, sexo, índice de massa corporal e etnia.

Embora o estudo tenha constatado que o grupo sanguíneo O era protetor apenas entre tipos de sangue rh positivo, as diferenças no fator rh (tipo sanguíneo + ou -) não foram consideradas significativas nos dados recolhidos pela 23andMe. Também não foi visto como um elemento de suscetibilidade ou gravidade nos casos.

Entre os inquiridos para o estudo, a percentagem que registou um teste positivo à Covid-19 é menor entre as pessoas com o sangue tipo O. A percentagem que relatou um teste positivo aumentou entre quem tem tipo sanguíneo AB.

Os dados do tipo sanguíneo e os resultados genéticos preliminares também parecem apoiar uma variante do gene ABO associada a um menor risco. Pelo menos dois estudos publicados recentemente, um de investigadores da China e o mais recente de cientistas de Itália e Espanha, analisaram o papel do gene ABO na Covid-19 . O estudo da China analisou a suscetibilidade, enquanto o italiano e o espanhol encontraram uma associação entre o tipo sanguíneo e a gravidade da doença.

Este estudo analisou os genes de mais de 1.600 doentes em Itália e Espanha que sofreram insuficiência respiratória e constatou que ter sangue tipo A estava associado a um aumento de 50% na probabilidade de um paciente necessitar de um ventilador. Já o estudo na China deu resultados semelhantes em relação à suscetibilidade de uma pessoa ao Covid-19.

Mais Notícias