Músico esqueceu violino raro com mais de 300 anos no comboio

Construído por um famoso "luthier" da escola de Roma do início do século XVIII, o instrumento vale cerca de 290 mil euros. Stephen Morris já apelou a quem o tenha encontrado para que lho entregue

Violinista e maestro, Stephen Morris diz-se "devastado", com a perda do seu precioso instrumento, do qual se esqueceu no comboio, na terça-feira da semana passada, e apela a quem o tenha encontrado para que entre em contacto com ele e lho devolva.

Stephen Morris deixou o violino num comboio suburbano entre Londres e Orpington. Já passava das 10 da noite, na última terça-feira, quando saiu na estação de Penge East, com a sua bicicleta, e se esqueceu de levar também o violino.

Acondicionado numa caixa branca, trata-se de um instrumento raro e valioso, dado ter sido um dos poucos fabricados em 1709 pelo "luthier" David Tecchler, um expoente da escola de instrumentos de Roma do final do século XVII, princípio do XVIII.

Como contou à BBC News, Stephen Morris teve de pedir emprestado o violino à mulher, Sarah Sexton, também ela violinista profissional, para poder tocar nos concertos que fez no último fim-de-semama em Manchester e Leeds com a Royal Philarmonica Orchestra.

Mas não foi a mesma coisa, garante. "Foi como se me tivessem cortado o braço", diz, justificando que a forma como um instrumento com o qual se toca há muito tempo responde "é idêntica à de um membro do próprio corpo".

Quando deu pela falta do violino, o músico contactou de imediato a empresa ferroviária, mas ficou apenas a saber que ninguém entregou o instrumento nos pedidos e achados.

A empresa prometeu-lhe, entretanto, que vai passar a pente fino as gravações das câmaras de vigilância instaladas nas carruagens para verificar se alguém saiu do comboio com o violino.

Mais Notícias