Emergência climática. Cientistas mundiais alertam para "sofrimento incalculável"

Mais de 11 mil cientistas de 153 países subscreveram um artigo no qual sugerem ações concretas em seis etapas de modo a que a humanidade evite consequências catastróficas. Estamos em emergência climática, avisam.

É um novo alerta que se faz ouvir bem alto. E, desta vez, é a comunidade científica que levanta a voz para "acordar" a humanidade em defesa do ambiente. Vivemos num estado de emergência climática e é preciso aumentar os esforços para combater as alterações climáticas de modo a evitar um "sofrimento incalculável".

Quem avisa são os mais de 11 mil cientistas de 153 países que subscreveram um artigo no qual destacam a urgência de tomar medidas perante aquilo que confirmam ser a emergência climática que o planeta Terra está a viver.

É uma verdadeira Aliança dos Cientistas do Mundo, como se lê no documento. Mas não se ficam pelo alerta. Propõem medidas concretas em seis etapas de modo a evitar consequências catastróficas.

No artigo, que é no fundo uma carta aberta publicada na revista BioScience, é referido que "as alterações climáticas estão a evoluir mais depressa do que muitos cientistas esperavam".

"Declaramos, clara e inequivocamente, que o planeta Terra está a enfrentar uma emergência climática", afirmam os mais de 11 mil signatários do documento.

"Para garantir um futuro sustentável, temos de mudar a maneira como vivemos", avisam os cientistas

Os especialistas avisam que é preciso um substancial aumento nos esforços para evitar o "sofrimento incalculável" que a humanidade pode enfrentar caso não haja uma mudança do estilo de vida.

"Para garantir um futuro sustentável, temos de mudar a maneira como vivemos", lê-se no artigo. E a mudança pode começar a surgir com a resposta à declaração e aviso dos cientistas de que estamos atualmente a viver um estado de emergência climática.

Dizem ter a "obrigação moral" de "alertar a humanidade para ameaças existenciais" e, nesse sentido, consideram que a mudança de estilo de vida "implica grandes transformações na forma como nossa sociedade global funciona e interage com os ecossistemas naturais".

Alertas dos cientistas têm 40 anos. "Continuamos a viver como se nada fosse"

"Estamos a fase de transição, na qual os governos e os que estão no poder querem ser vistos a fazer a coisa certa, mas sem investirem ou apoiarem" a mudança, lamenta à Euronews Jennifer Rudd, da Universidade Swansea. "Não estamos a ver nenhuma ação radical", critica.

A carta aberta tem como base dados científicos publicados há 40 anos, entre os quais estão informações sobre o uso de energia, a temperatura, o crescimento populacional, as emissões de carbono e o desmatamento. Dados que foram estabelecidos na Conferência Mundial do Clima, realizada em Genebra, em 1979, quando estiveram reunidos cientistas de 50 países.

"Apesar dos 40 anos de grandes negociações globais, continuamos a viver como se nada fosse e não estamos a conseguir resolver esta crise", disse o professor de ecologia William Ripple, da Universidade do Oregon e coautor principal do artigo.

O que propõem os cientistas para evitar consequências catastróficas?

Perante este cenário, os 11 mil cientistas propõem medidas para evitar consequências catastróficas devido às alterações climáticas.

Estas são algumas das ações concretas que sugerem:

- A "substituição de combustíveis fósseis por fontes renováveis ​​de baixo carbono e outras fontes de energia mais limpas", que sejam seguras para as pessoas e meio ambiente.

- A redução de emissões de "poluentes climátcos de curta duração, como o metano e hidrofluorcarbonetos"

- "Reduzir o desmatamento e restaurar e proteger ecossistemas" como as florestas.

- Sugerem que a nossa alimentação seja "à base de plantas", que se reduza o consumo de "produtos de origem animal" e apelam para uma redução do desperdício alimentar.

- Deve ser "rapidamente reduzida" a "extração excessiva de materiais e a superexploração de ecossistemas impulsionadas pelo crescimento económico"

- Defendem ainda a estabilização da população global "e, idealmente, reduzida gradualmente", recorrendo "a abordagens que garantam justiça social e económica".

Cientistas mundiais preparados para ajudar na transição para um futuro sustentável

Os 11 mil cientistas estão "prontos" para ajudar os responsáveis pelas tomadas de decisões na "transição justa para um futuro sustentável e equitativo".

Acreditam que as perspetivas de um futuro sustentável são melhores se os tomadores de decisões e toda a humanidade responderem a este aviso e declaração de que estamos a viver num estado de emergência climática, no fundo a "agirem para preservar a vida no planeta Terra, o nosso único lar".

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.