trabalho

Uma imagem que não era comum em Esch-sur-Alzette: homens sem sítio para dormir

Luxemburgo

"Eu, escravo". Trabalhadores acusam empresário português

Eram pedreiros, estavam desempregados, um deles tem 63 anos. Responderam há semanas a um anúncio de jornal em Portugal que lhes prometia casa, comida e descontos no Luxemburgo. Dizem que se depararam com salários abaixo do mínimo, 60 horas de trabalho semanais, habitações sobrelotadas, até espancamentos. Apareceram no centro de Esch esta semana, dizendo que tinham fugido. E contaram isto. Originalmente publicado no jornal luxemburguês Contacto.