Ricardo Simões Ferreira

Ricardo Simões Ferreira

Uma lição de psicologia marciana

A história é contada por Carl Sagan, mais ou menos desta maneira: quando, a 21 de julho de 1976, a sonda V iking 1 enviou a primeira fotografia a cores da superfície de Marte, a expectativa entre os cientistas da missão era enorme. No dia anterior, o primeiro engenho da humanidade a conseguir enviar imagens do planeta vizinho tinha fotografado o seu próprio pé (para que se pudesse aferir a estabilidade do aparelho após a aterragem), mas tratara-se de uma foto a preto e branco.

Opinião

Ricky Gervais percebe o problema das redes sociais. Porque as usa

A pesar de ter sido gravado antes da polémica Facebook/Cambridge Analytics, o espetáculo de stand up comedy Humanity, de Ricky Gervais, disponível no Netflix, inclui uma das mais precisas descrições dos verdadeiros problemas que as redes sociais implicam para a sociedade. Além disso, é um dos espetáculos de comédia mais geniais alguma vez feitos, mas isso agora é meramente acessório.

A espreguiçar na rede

A Google faz o que quer da internet. E nós deixamos

O browser Chrome - o navegador mais utilizado no mundo, com um share de cerca de 60% - começou esta quinta -feira a bloquear as publicidades mais intrusivas. A Google, a dona do programa e a empresa que quer ser sinónimo de internet, diz que esta é uma forma de combater os anúncios que não respeitam as boas práticas. E, ainda que a medida tenha um efeito aparentemente positivo para o utilizador, é a demonstração de como, para estarmos na net, ficamos à sua mercê.

Opinião

Todas as notícias são um "trabalho em desenvolvimento"

Na sociedade de comunicação quase instantânea em que vivemos, com ciclos noticiosos que duram meras horas em vez de dias, praticamente todas as notícias estão em permanente "atualização". O imperativo, por parte dos profissionais de comunicação social, de conseguir reagir o mais depressa possível aos acontecimentos algo inevitável perante um público que quer (e tem direito a) informação atualizada em tempo real reduz ao mínimo o tempo de análise do que se está a passar por parte do jornalista que cobre o acontecimento. Esse papel tem ficado, cada vez mais, para os "opinadores de serviço" nos painéis que os canais noticiosos têm por hábito usar como "enchedores de chouriços" ao serão.