reguengos de monsaraz

Reguengos de Monsaraz

Ludmila. A funcionária moldava do lar que o vírus matou

Tinha 42 anos, a 20 de setembro faria os 43. Preparava-se para juntar a família e só alguns amigos. Neste ano, queria ver a filha na escola primária, o filho mais velho a tirar a carta e comprar uma casa em Portugal. A Moldávia era a terra onde passariam a ir de férias para ver a família. Ludmila foi uma das infetadas e das vitimas mortais do surto de covid-19 que atingiu o lar da fundação.

Covid-19. Reguengos de Monsaraz

"Deixaram o vírus entrar no lar e começar a matar quem lá estava"

Foi o maior surto de covid-19 em lares. Marcou Reguengos de Monsaraz e o Alentejo. A revolta cresce entre as famílias que perderam os seus. Querem justiça. A Ordem dos Médicos já apontou falhas ao lar, que garante tudo ter feito pelos utentes, e às autoridades de saúde. Na terra, dividida entre o medo de falar e o de querer explicações, ninguém esquecerá tão depressa o que aconteceu.