PCP

entrevista DN

Jerónimo de Sousa: "Está nas mãos do PS impedir que o governo caia"

O PCP admite um cenário semelhante ao de março de 2011, quando os comunistas votaram ao lado de Bloco, PSD e CDS para chumbar a austeridade do PEC IV e derrubar o governo Sócrates. Em entrevista ao DN, Jerónimo de Sousa avisa que "o destino do governo não determinará o sentido de voto do PCP" a um eventual Orçamento do Estado restritivo e garante que o PCP "não acompanhará o PS" se a resposta de António Costa à crise pós-pandemia passar por um caminho de austeridade.

Ferreira Fernandes

Pois… "A Festa do Avante! é uma grande organização e de massas!"

A Igreja Católica, talvez pelo avanço que lhe leva de 1900 anos, deu em Fátima uma lição ao PCP sobre o uso do simbólico. A Igreja envelheceu melhor. Ela prescindiu das barracas de iconografia à volta do seu festival anual e dispensou a multidão. O que aconteceu foi que a Igreja Católica lembrou-se de que tem fôlego e pode apostar na estratégia: o que se perde hoje ganhar-se-á em amanhãs que cantam - bem visto para quem acredita na eternidade. Como diria um santo de outra paróquia, São Vladimir Lenine: "Um passo atrás, agora, para que haja a procissões amanhã..." E os católicos foram também coerentes na frente unida internacional a que pertencem. Com nome de santo de revolta campesina, Francisco, líder do, digamos, Komintern, dera há semanas na, digamos, Praça Vermelha do Vaticano, uma lição semelhante de solidão, simbolismo, beleza e bom senso.