Mirko Stefanovic

Mirko Stefanovic

A nova abordagem dos EUA para o Médio Oriente

A comunicação entre a Casa Branca em Washington e Jerusalém está num período de turbulência, obviamente repleta de hesitações, principalmente do lado norte-americano. A administração Trump ajudou muito a política do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e este não tentou esconder o seu apoio ao ex-presidente americano nas eleições. Mas isso agora acabou, e os israelitas estão à procura de uma maneira de reatar as relações calorosas com o novo presidente em Washington, o que obviamente não será um trabalho fácil.

Opinião

O Médio Oriente depois de Trump

Quando os Estados Unidos mudam de presidente e, principalmente, se o novo não é do mesmo partido, é natural que surjam algumas questões na cabeça de muitos líderes no mundo. Entre eles, os do Médio Oriente costumam perguntar-se como estabelecer boas relações com o novo presidente, se já não as têm. No caso da atual mudança em Washington, esse facto é especialmente importante, pois o presidente que agora mora na Casa Branca tentou usar o Médio Oriente como a área do seu maior sucesso na política externa. Obviamente, criou uma situação muito incerta onde qualquer recém-chegado tem de se perguntar o que fazer com as coisas que recebeu do presidente anterior e o que tentar reconstruir do zero, daquilo que foi destruído pelo antecessor.

Opinião

O Coronavírus e a política

A epidemia do coronavírus é, ao que parece, não apenas o maior desafio à saúde nos tempos modernos, mas também um sério desafio para a democracia. Todas as medidas, decididas pelos governos dos países atingidos pela epidemia, devem ser vistas sob diferentes ângulos. O aspeto mais importante é, inquestionavelmente, o de salvar vidas, aquele em que as pessoas devem seguir, em teoria, a sua elite política para se protegerem da doença mortal. Esta é a primeira coisa a fazer, mas não a única.