João Lopes

João Lopes

Os filmes a preto e branco já não são o que eram

Paradoxos da vida cinéfila... Ao longo dos anos, deparei com uma reação frequente aos filmes com imagens a preto e branco. Seriam sintoma de uma pobreza expressiva, e até técnica, que as cores vieram "corrigir". O preto e branco não passaria de um sinal de pretensiosismo estético e vaidade filosófica, apenas celebrado por um público minoritário de intelectuais... Sem esquecer que há toda uma cultura do insulto que aplica a palavra "intelectual" como um gesto automático de ostracismo e subsequente purificação.

João Lopes

Abraham Lincoln e o valor das palavras

No seu programa The Tonight Show (NBC), ao comentar algumas imagens da tomada de posse de Joe Biden, Jimmy Fallon referiu-se ao gesto tradicional do novo presidente, colocando a mão esquerda sobre a Bíblia, neste caso numa edição de dimensões francamente invulgares: "Biden fez o seu juramento com uma Bíblia gigante que pertence à sua família desde 1893." Depois de apresentar um plano aproximado do livro, seguro por Jill Biden, observou: "Aquilo não é uma Bíblia que se encontre num armário. Aquilo é um armário." Rematou mesmo dizendo que até o Papa terá considerado que "foi um bocadinho excessivo".