Featured

Featured

O ilusionista com truques tecnológicos

Jorge Blass sobe ao palco há mais de 20 anos, inovando com a sua magia num território complexo nestes tempos de ecrãs e realidades virtuais. O ilusionismo, a magia como arte cénica, é um espetáculo milenar (há quem aponte que a sua origem ocorreu durante o império egípcio, com base em textos existentes num papiro com mais de 4000 anos de antiguidade).Cartas, serrotes, pombos, coelhos e cordas, fazem parte do nosso imaginário quando pensamos num ilusionista, no entanto esta imagem está desatualizada para o mundo digital. Blass, que conquistou a admiração do próprio David Copperfield, conseguiu introduzir os modernos avanços tecnológicos nos seus números, para obter um impressionante equilíbrio entre a tradição e o futuro. "Teletransportarmo-nos ou tornarmo-nos invisíveis são coisas que a ciência ainda está a trabalhar e, com a magia, podemos representá-las em palco e fazer o público sonhar, como se essas tecnologias do futuro existissem", reflete Blass.E é precisamente em palco que o ilusionista apresenta um arsenal de aparelhos como impressoras 3D, robôs, drones ou uma incrível máquina que miniaturiza as pessoas e se tornou num dos números mais celebrados do seu novo espetáculo.Texto: José L. Álvarez Cedena

Featured

O ilusionista com truques tecnológicos

Jorge Blass sobe ao palco há mais de 20 anos, inovando com a sua magia num território complexo nestes tempos de ecrãs e realidades virtuais. O ilusionismo, a magia como arte cénica, é um espetáculo milenar (há quem aponte que a sua origem ocorreu durante o império egípcio, com base em textos existentes num papiro com mais de 4000 anos de antiguidade).Cartas, serrotes, pombos, coelhos e cordas, fazem parte do nosso imaginário quando pensamos num ilusionista, no entanto esta imagem está desatualizada para o mundo digital. Blass, que conquistou a admiração do próprio David Copperfield, conseguiu introduzir os modernos avanços tecnológicos nos seus números, para obter um impressionante equilíbrio entre a tradição e o futuro. "Teletransportarmo-nos ou tornarmo-nos invisíveis são coisas que a ciência ainda está a trabalhar e, com a magia, podemos representá-las em palco e fazer o público sonhar, como se essas tecnologias do futuro existissem", reflete Blass.E é precisamente em palco que o ilusionista apresenta um arsenal de aparelhos como impressoras 3D, robôs, drones ou uma incrível máquina que miniaturiza as pessoas e se tornou num dos números mais celebrados do seu novo espetáculo.Texto: José L. Álvarez Cedena

Featured

O ilusionista com truques tecnológicos

Jorge Blass sobe ao palco há mais de 20 anos, inovando com a sua magia num território complexo nestes tempos de ecrãs e realidades virtuais. O ilusionismo, a magia como arte cénica, é um espetáculo milenar (há quem aponte que a sua origem ocorreu durante o império egípcio, com base em textos existentes num papiro com mais de 4000 anos de antiguidade).Cartas, serrotes, pombos, coelhos e cordas, fazem parte do nosso imaginário quando pensamos num ilusionista, no entanto esta imagem está desatualizada para o mundo digital. Blass, que conquistou a admiração do próprio David Copperfield, conseguiu introduzir os modernos avanços tecnológicos nos seus números, para obter um impressionante equilíbrio entre a tradição e o futuro. "Teletransportarmo-nos ou tornarmo-nos invisíveis são coisas que a ciência ainda está a trabalhar e, com a magia, podemos representá-las em palco e fazer o público sonhar, como se essas tecnologias do futuro existissem", reflete Blass.E é precisamente em palco que o ilusionista apresenta um arsenal de aparelhos como impressoras 3D, robôs, drones ou uma incrível máquina que miniaturiza as pessoas e se tornou num dos números mais celebrados do seu novo espetáculo.Texto: José L. Álvarez Cedena

Featured

Isolamento e teletrabalho abrem porta a intrusões e malware. Portugal tem 8400 ligações vulneráveis

Com o mundo a recorrer à Internet para a "nova normalidade", há quem esteja a aproveitar a dependência de ferramentas digitais para mascarar malware, phising e testar os limites da segurança informática. Empresas de cibersegurança alertam para necessidade de reforçar cuidados e pedem atenção redobrada nesta altura. Com as autoridades a pedir isolamento para conter a propagação do vírus, o mundo virou-se para o trabalho remoto e para as plataformas digitais para continuar a conviver. Já a avidez de informação e a necessidade de manter a ligação a familiares e amigos faz subir o tráfego de redes - os três [...]

Featured

Tecnologia alimenta era do trabalho e vida remota em tempo de Covid-19

Vaga desencadeada pelo surto do coronavírus Covid-19 está a exponenciar negócios, reduzir emissões e deverá massificar o trabalho remoto, mas há cuidados importantes a ter. Conferências, ensino e saúde já podem ser remotas. Nada será como dantes, inclusive em Portugal. O que é que a qualidade de vida, a crise ambiental, os problemas de mobilidade nas cidades ou a crise dos preços na habitação (Lisboa e Porto incluídas), têm a ver com os problemas criados com o coronavírus? "Envolvem o mesmo tipo de tecnologia e de soluções para um trabalho e vida remota que podem criar efeitos duradouros", diz-nos Francisco [...]

Featured

Os dados são a nova bola de cristal para o recrutamento

Randstad fez chegar ao mercado ferramenta que pretende ajudar as empresas no processo de recrutamento, tirando partido de todo o potencial dos dados. Todos os meses, os 350 consultores da Randstad em Portugal fazem 11 mil entrevistas a possíveis candidatos, que podem ser distribuídos por 79% dos setores de atividade para quem a empresa faz recrutamento. Os números são partilhados por Gonçalo Vilhena, chief information officer (CIO) da Randstad, enquanto mostra ao Dinheiro Vivo a nova solução desenvolvida pela empresa. "Chamamos-lhe xPT por trazer a nossa experiência de dados sobre pessoas e recursos humanos em Portugal. Temos experimentado muito ao [...]

Tecnologia

A era digital começou com os chips. Há uma revolução (portuguesa) à espreita

São cada vez mais pequenos e dão-nos cada vez mais em todo o tipo de objetos. Contamos a história dos chips (e dos transístores) com a ajuda de especialistas, mas analisamos também o futuro com uso de luz ou papel para transmissão de dados, além da prometedora computação quântica. São o cérebro dos sistemas computadorizados que, hoje, damos por garantidos no nosso dia a dia. São cada vez mais pequenos, conectados e integrados em circuitos que são verdadeiros sistemas de planetas minúsculos no cosmos que é o mundo digital. Os chamados chips de computação podem parecer pequenos, mas escondem um [...]

Featured

O homem que consegue voar

Nos jogos olímpicos de 1984, mais de 2,5 milhões de pessoas assistiram à chegada do futuro pela televisão. Naquele dia, um homem chamado Bill Suitor sobrevoou o estádio com uma mochila autopropulsionada como as que, até aí, só se tinham visto na banda desenhada ou no cinema. Era o culminar perfeito para uma cerimónia ao mais puro estilo de Hollywood e ao jeito dos excessos da era Reagan.O que nem toda a gente sabe é que aquela ideia, foi o plano B para resolver um problema de última hora. O estádio devia ter sido sobrevoado não por um ser humano, mas por uma imponente águia que fora intensamente treinada durante um ano para o evento. Porém, o pobre animal morreu quatro dias antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos. Por isso, naquele dia, Bill Suitor vestiu um macacão multicolor e pôs aos ombros aquela mochila, que se destinava a ser utilizada pelo exército dos Estados Unidos. O seu voo faz parte da história das Olimpíadas e da memória de muitas gerações que, ao vê-lo, imaginaram um futuro repleto de gente a voar pelas ruas das cidades.Foi, sem dúvida, este sonho de multidões voadoras que incentivou Michael Browning a passar toda a sua vida a idealizar os mais fabulosos aparelhos para voar. Embora tenha sido o seu filho, Richard, que se chegou à frente e conseguiu construir um fato voador que recorda o que Anthony Stark usa para se transformar no Homem de Ferro. Richard Browning é o fundador da Gravity, uma empresa através da qual desenvolveu, construiu e patenteou um sistema de voo pessoal. Durante os últimos dois anos, a empresa levou o seu fato a mais de 60 eventos em 20 países diferentes, demonstrando que é uma tecnologia viável. Assim, é possível que o futuro se tenha feito esperar um pouco mais do que se pensava nos anos oitenta, mas quem sabe não estará já a chegar...Entrevista e edição: Joel Dalmau | Azahara Mígel | David Giraldo Texto: José L. Álvarez Cedena