Featured

Featured

O ilusionista com truques tecnológicos

Jorge Blass sobe ao palco há mais de 20 anos, inovando com a sua magia num território complexo nestes tempos de ecrãs e realidades virtuais. O ilusionismo, a magia como arte cénica, é um espetáculo milenar (há quem aponte que a sua origem ocorreu durante o império egípcio, com base em textos existentes num papiro com mais de 4000 anos de antiguidade).Cartas, serrotes, pombos, coelhos e cordas, fazem parte do nosso imaginário quando pensamos num ilusionista, no entanto esta imagem está desatualizada para o mundo digital. Blass, que conquistou a admiração do próprio David Copperfield, conseguiu introduzir os modernos avanços tecnológicos nos seus números, para obter um impressionante equilíbrio entre a tradição e o futuro. "Teletransportarmo-nos ou tornarmo-nos invisíveis são coisas que a ciência ainda está a trabalhar e, com a magia, podemos representá-las em palco e fazer o público sonhar, como se essas tecnologias do futuro existissem", reflete Blass.E é precisamente em palco que o ilusionista apresenta um arsenal de aparelhos como impressoras 3D, robôs, drones ou uma incrível máquina que miniaturiza as pessoas e se tornou num dos números mais celebrados do seu novo espetáculo.Texto: José L. Álvarez Cedena

Featured

O ilusionista com truques tecnológicos

Jorge Blass sobe ao palco há mais de 20 anos, inovando com a sua magia num território complexo nestes tempos de ecrãs e realidades virtuais. O ilusionismo, a magia como arte cénica, é um espetáculo milenar (há quem aponte que a sua origem ocorreu durante o império egípcio, com base em textos existentes num papiro com mais de 4000 anos de antiguidade).Cartas, serrotes, pombos, coelhos e cordas, fazem parte do nosso imaginário quando pensamos num ilusionista, no entanto esta imagem está desatualizada para o mundo digital. Blass, que conquistou a admiração do próprio David Copperfield, conseguiu introduzir os modernos avanços tecnológicos nos seus números, para obter um impressionante equilíbrio entre a tradição e o futuro. "Teletransportarmo-nos ou tornarmo-nos invisíveis são coisas que a ciência ainda está a trabalhar e, com a magia, podemos representá-las em palco e fazer o público sonhar, como se essas tecnologias do futuro existissem", reflete Blass.E é precisamente em palco que o ilusionista apresenta um arsenal de aparelhos como impressoras 3D, robôs, drones ou uma incrível máquina que miniaturiza as pessoas e se tornou num dos números mais celebrados do seu novo espetáculo.Texto: José L. Álvarez Cedena

Featured

O ilusionista com truques tecnológicos

Jorge Blass sobe ao palco há mais de 20 anos, inovando com a sua magia num território complexo nestes tempos de ecrãs e realidades virtuais. O ilusionismo, a magia como arte cénica, é um espetáculo milenar (há quem aponte que a sua origem ocorreu durante o império egípcio, com base em textos existentes num papiro com mais de 4000 anos de antiguidade).Cartas, serrotes, pombos, coelhos e cordas, fazem parte do nosso imaginário quando pensamos num ilusionista, no entanto esta imagem está desatualizada para o mundo digital. Blass, que conquistou a admiração do próprio David Copperfield, conseguiu introduzir os modernos avanços tecnológicos nos seus números, para obter um impressionante equilíbrio entre a tradição e o futuro. "Teletransportarmo-nos ou tornarmo-nos invisíveis são coisas que a ciência ainda está a trabalhar e, com a magia, podemos representá-las em palco e fazer o público sonhar, como se essas tecnologias do futuro existissem", reflete Blass.E é precisamente em palco que o ilusionista apresenta um arsenal de aparelhos como impressoras 3D, robôs, drones ou uma incrível máquina que miniaturiza as pessoas e se tornou num dos números mais celebrados do seu novo espetáculo.Texto: José L. Álvarez Cedena

Featured

Tecnologia alimenta era do trabalho e vida remota em tempo de Covid-19

Vaga desencadeada pelo surto do coronavírus Covid-19 está a exponenciar negócios, reduzir emissões e deverá massificar o trabalho remoto, mas há cuidados importantes a ter. Conferências, ensino e saúde já podem ser remotas. Nada será como dantes, inclusive em Portugal. O que é que a qualidade de vida, a crise ambiental, os problemas de mobilidade nas cidades ou a crise dos preços na habitação (Lisboa e Porto incluídas), têm a ver com os problemas criados com o coronavírus? "Envolvem o mesmo tipo de tecnologia e de soluções para um trabalho e vida remota que podem criar efeitos duradouros", diz-nos Francisco [...]

Featured

Setor da tecnologia tem até 19 mil vagas por preencher

Lisboa e Porto, mas também Aveiro e Braga concentram o maior número de lugares disponíveis. Os salários estão bem acima da remuneração média nacional e os profissionais em início de carreira são os mais desejados. Com as empresas tecnológicas em expansão em Portugal, a procura de profissionais para o setor é elevada. De acordo com a Randstad, existe um intervalo entre 14 e 19 mil vagas por preencher nesta área. Os dados fornecidos ao Dinheiro Vivo foram obtidos a partir de uma ferramenta desenvolvida pela empresa de recursos humanos, a xPT, que contabiliza anúncios de emprego disponíveis nos principais portais [...]

Tecnologia

A era digital começou com os chips. Há uma revolução (portuguesa) à espreita

São cada vez mais pequenos e dão-nos cada vez mais em todo o tipo de objetos. Contamos a história dos chips (e dos transístores) com a ajuda de especialistas, mas analisamos também o futuro com uso de luz ou papel para transmissão de dados, além da prometedora computação quântica. São o cérebro dos sistemas computadorizados que, hoje, damos por garantidos no nosso dia a dia. São cada vez mais pequenos, conectados e integrados em circuitos que são verdadeiros sistemas de planetas minúsculos no cosmos que é o mundo digital. Os chamados chips de computação podem parecer pequenos, mas escondem um [...]

2010-2019

Da era móvel ao espaço. Estes são os 10 avanços tecnológicos da década

Naquela que pode ser definida como a era dos aparelhos móveis, destacamos algumas das inovações que marcaram a última década e, quem sabe, a humanidade para sempre. Nunca se evoluiu tanto a nível tecnológico em tão pouco tempo, ao ponto de mudarem os próprios comportamentos humanos, quanto nesta última década. Se há tecnologia que entra na perfeição nessa descrição de revolução do estilo de vida dos seres humanos é a tecnologia móvel que alimenta os smartphones, tablets e wearables e que tornou, em certos casos, milhões de seres humanos do planeta numa espécie de zombies, colados aos ecrãs dos seus [...]

Featured

O rapaz de 15 anos que é especialista em Realidade Virtual

Sabarish é um dos jovens mais precoces em todo o mundo na criação de aplicações para VR e AR, e um dos programadores das HoloLens, o novo dispositivo da Microsoft. O adolescente de apenas 15 anos é fundador da WaypointAR, uma empresa que está a desenvolver uma solução para nos orientarmos e deslocarmos em grandes espaços fechados (como aeroportos ou centros comerciais) utilizando a realidade aumentada. A teoria de Sabarish é que, atualmente, os nossos smartphones são mais "uma interferência do que uma integração", já que interagimos com eles através de um ecrã bidimensional, algo que passará à história com a chegada do 3D e da realidade virtual. As grandes empresas tecnológicas como a Google, Apple, Facebook ou Microsoft concordam com a sua análise, daí os grandes investimentos que estão a fazer nestes setores e a importância de "aprender a criar aplicações para o mundo real que não existem em videojogos, marketing, entretenimento ou publicidade".A confiança demonstrada por Sabarish nas suas afirmações acerca do que considera que será a próxima "explosão tecnológica" não surpreende se tivermos em conta a determinação com que entrou neste território. Segundo escreveu no seu blogue em julho de 2017: "Quando comecei no mundo das aplicações de realidade virtual, não encontrava uma fonte que explicasse claramente os passos que devia seguir. Por isso, inventei-os eu mesmo." Apesar de ser considerado uma das pessoas mais influentes do mundo na área da VR, acredita que o que fez até agora é "um pouco banal" e, por isso, está empenhado em fazer algo nos próximos anos que ajude a tornar um pouco mais fácil a vida de milhões de pessoas.Entrevista e edição: Azahara Mígel, Noelia Núñez, Ainara NievesTexto: José L. Álvarez Cedena

Featured

O homem que consegue voar

Nos jogos olímpicos de 1984, mais de 2,5 milhões de pessoas assistiram à chegada do futuro pela televisão. Naquele dia, um homem chamado Bill Suitor sobrevoou o estádio com uma mochila autopropulsionada como as que, até aí, só se tinham visto na banda desenhada ou no cinema. Era o culminar perfeito para uma cerimónia ao mais puro estilo de Hollywood e ao jeito dos excessos da era Reagan.O que nem toda a gente sabe é que aquela ideia, foi o plano B para resolver um problema de última hora. O estádio devia ter sido sobrevoado não por um ser humano, mas por uma imponente águia que fora intensamente treinada durante um ano para o evento. Porém, o pobre animal morreu quatro dias antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos. Por isso, naquele dia, Bill Suitor vestiu um macacão multicolor e pôs aos ombros aquela mochila, que se destinava a ser utilizada pelo exército dos Estados Unidos. O seu voo faz parte da história das Olimpíadas e da memória de muitas gerações que, ao vê-lo, imaginaram um futuro repleto de gente a voar pelas ruas das cidades.Foi, sem dúvida, este sonho de multidões voadoras que incentivou Michael Browning a passar toda a sua vida a idealizar os mais fabulosos aparelhos para voar. Embora tenha sido o seu filho, Richard, que se chegou à frente e conseguiu construir um fato voador que recorda o que Anthony Stark usa para se transformar no Homem de Ferro. Richard Browning é o fundador da Gravity, uma empresa através da qual desenvolveu, construiu e patenteou um sistema de voo pessoal. Durante os últimos dois anos, a empresa levou o seu fato a mais de 60 eventos em 20 países diferentes, demonstrando que é uma tecnologia viável. Assim, é possível que o futuro se tenha feito esperar um pouco mais do que se pensava nos anos oitenta, mas quem sabe não estará já a chegar...Entrevista e edição: Joel Dalmau | Azahara Mígel | David Giraldo Texto: José L. Álvarez Cedena