Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

O Estado e a comunicação social

Se olharmos para a forma como os sucessivos governos trataram a comunicação social nas últimas décadas e, sobretudo, para o chamado serviço público, dificilmente conseguiremos levar algum partido do chamado arco da governação muito a sério. Os que não tentaram influenciar, manipular e condicionar jornais, rádios e televisões não tiveram qualquer visão sobre o setor ou decidiram atirar para debaixo do tapete um assunto que queima e que acabava "enterrado" no Ministério da Cultura, entregue a ministros que percebem tanto de comunicação social como eu percebo de lagares de azeite.

Anselmo Crespo

Quarteto dos 3 Políticos Marcelo e Costa

Se formassem uma banda, desafiariam até os ouvidos menos sensíveis, mas só ouvia quem queria. Mas como são quatro dos mais relevantes protagonistas políticos do país, o caso é mais sério. Nas últimas duas semanas, António Costa, Rui Rio, Marcelo Rebelo de Sousa e Mário Centeno montaram um verdadeiro festival de jogadas políticas. Lembra-se do Quarteto dos 3 Irmãos Pedro e Paulo? No palco principal, hoje temos o Quarteto dos 3 Políticos Marcelo e Costa.

Opinião

Das polémicas estúpidas e do que elas provocam

Nas últimas duas semanas, dei por mim, várias vezes, a tentar encontrar um racional para a polémica que se levantou com as cerimónias do 25 de Abril na Assembleia da República. Entrevistei, comentei e analisei o tema, porque a atualidade assim o exigia, mas, verdadeiramente, nunca consegui encontrar motivo que justificasse tão acalorada discussão em torno de um assunto que tinha, a meu ver, solução muito fácil. E que até representava uma excelente oportunidade.

Anselmo Crespo

Criminosos de guerra

Bem sei que estamos todos - ou quase todos - focados no combate à pandemia, a lutar pela vida e, ao mesmo tempo, a tentar salvar o que podemos da economia mundial. Bem sei que tudo o que enfrentamos é novo e que o desconhecido nos obriga, muitas vezes, a cometer erros. Que esses erros são humanos. Mas a forma como alguns líderes políticos têm lidado com a crise das nossas vidas devia ser considerada crime de guerra. Porque é uma guerra que estamos a travar. E porque "condenar" à morte ou à ditadura milhões de pessoas, com tamanha leviandade, só pode ser considerado criminoso.

Anselmo Crespo

Nigel Farage, André Ventura e os "homens reais"

Imagine uma fábrica de burocratas com uma linha de montagem que tem todas as peças necessárias. Pega-se no tronco, encaixam-se as pernas, depois os braços e, por fim, a cabeça. A cor do cabelo pode variar. Temos duas opções à escolha: moreno ou louro. Pente três a toda a volta, grande em cima, para dar aquele aspeto ondulado que está na moda. Temos gordinhos, mas o modelo com mais saída é o magro. Daqueles que correm todos os dias às seis da manhã, faça chuva ou faça sol, antes do banho e antes de vestirem o fato azul escuro. Ao final da tarde, vão todos beber um copo ao pub mais perto do trabalho, antes de irem para casa.

Opinião

Os que pagam mas não são donos disto tudo

"Quem paga o excedente orçamental são os contribuintes." A frase é de Mário Centeno, durante a apresentação do Orçamento do Estado para 2020. Num misto de enfado e indignação, o ministro das Finanças responde com a honestidade possível aos que o criticam por aplicar ao país uma das maiores cargas fiscais de sempre, enquanto deixa ao Estado uma almofada financeira de 0,2%. Quem se atreve a questionar tamanho feito se esta é a primeira vez, em democracia, que Portugal alcança um superavit? Quem são os ingratos que não valorizam e se sentem orgulhosos por partilharem a mesma nacionalidade do CR7 das Finanças?