Exclusivo Tubarões e raias em risco devido ao aumento da procura de barbatanas e fígado

Especialistas exigem que a área protegida do planeta aumente para 30%. Atualmente cerca de 28% das 138 mil espécies avaliadas estão em risco de extinção. Portugal e Espanha permitem pesca de dois tipos de tubarão.

O alerta foi dado durante o congresso organizado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN): a sexta extinção está em curso. As espécies estão a desaparecer rapidamente. No encontro que decorreu em Marselha no início do mês foi atualizada a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas e os números não enganam: cerca de 28% das 138 mil espécies avaliadas estão em risco de extinção. A destruição dos ecossistemas e as alterações climáticas são as principais causas do declínio das espécies de animais, plantas e fungos. É urgente expandir e gerir zonas protegidas, envolver comunidades indígenas e locais nos esforços de conservação, vigiar as espécies invasoras, reduzir a pegada ecológica dos seres humanos e encorajar modelos de negócio que protejam a biodiversidade.

Um dos principais alertas recai sobre os tubarões e as raias. Atualmente contam-se 400 espécies de tubarões e 600 de raias, 37% estão em perigo. Calcula-se que a abundância de tubarões oceânicos tenha diminuído cerca de 70% nos últimos 50 anos sobretudo por causa das barbatanas e do fígado. A sopa de barbatana de tubarão é considerada uma iguaria nos países asiáticos onde atinge preços astronómicos. Do fígado é extraído um óleo, o esqualeno, importante para o fabrico de vacinas, medicamentos, cremes hidratantes e protetores solares. Para extrair uma tonelada desta substância são necessários cerca de três mil fígados de tubarão, uma substância que já pode ser produzida em biorreatores.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG