NOVA SBE: a faculdade pioneira que trouxe nova vida a Carcavelos

A faculdade celebra hoje o terceiro aniversário do seu campus de Carcavelos. Miguel Pinto Luz, vice da Câmara de Cascais, diz que deu um impulso à zona.

O campus de Carcavelos na NOVA SBE foi inaugurado a 29 de setembro de 2018, uma data que, na altura, foi descrita pelo reitor da Universidade Nova, João Sàágua, como um "dia glorioso" para aquela instituição. Três anos depois, é tempo de fazer um balanço deste projeto inovador do ensino superior em Portugal. Hoje, um mês depois do 3.º aniversário, a faculdade festeja a data.

"A decisão foi tomada em 2011 ou 2012, quando eu era diretor da SBE. A questão que se colocava então era como aproveitar ao máximo as oportunidades abertas por Bolonha para projetar ainda mais internacionalmente a SBE e contribuir para fazer do ensino superior em Portugal uma grande indústria exportadora. O conceito que se desenvolveu consistiu em aliar a qualidade académica e as acreditações internacionais - que a SBE já possuia - a um estilo de vida único que Portugal, e Lisboa em particular, podem proporcionar. No fundo, tratava-se de a academia perder a relutância em usar o "sol e mar" como ativos na competição internacional por talento", recorda, ao DN, José Ferreira Machado, vice-reitor da Universidade Nova e diretor da SBE entre 2005 e 2015. O seu sucessor no cargo é o atual diretor, Daniel Traça.

A Nova teve ofertas de várias autarquias para instalação do novo campus da SBE, como Oeiras, que ofereceu o Tagus Park, e Cascais, que disponibilizou uma área no centro da vila. Chegaram também a ver em Lisboa, mas não havia nenhum espaço livre. Até que o terreno de Carcavelos foi disponibilizado. "Era um terreno que correspondia à ideia de uma localização icónica, junto ao mar, que permitisse, também através do estilo de vida que proporcionava, tornar-se um grande magnete de atração de talentos internacional. E, portanto, não houve nada de especial em Carcavelos, o que houve de especial foi esta visão de que era importante unir à qualidade académica algo mais, um estilo de vida que nós, na altura, chamávamos de californiano. Foi esta a ideia", prosseguiu este responsável. O campus tem uma área de 83 579 m2, é frequentado por 5050 alunos e tem um corpo docente de 387 pessoas.

O financiamento por donativos privados e a relação entre a SBE e empresas são um dos motivos pelo quais esta faculdade é revolucionária. Mas existem outras razões, segundo o vice-reitor da Nova. "A SBE é uma instituição única no panorama português, desde a sua fundação nos anos 70 do século passado. Foi a primeira instituição portuguesa a ter uma política sistemática de doutorar os seus professores, criou o primeiro MBA, foi pioneira na formação de executivos, foi a primeira instituição a rejeitar a endogamia no recrutamento dos docentes, a primeira a ter uma política de recrutamento internacional dos seus docentes, a primeira a ensinar em inglês, etc, etc. As relações com as empresas são muito antigas e profícuas".

Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara de Cascais, também defende que esta é uma instituição única. "A NOVA SBE é revolucionária logo na sua criação, é construída sem qualquer verba do Estado central, provando que, quando o projeto é bom, os privados estão dispostos a investir e a ajudar. Depois, com o ponto de estar muito virada para o mercado internacional, não nos basta estarmos entre os melhores do país, queremos ombrear com as melhores escolas de gestão do mundo. Para isso há uma aposta clara na adaptação da oferta de ensino à realidade atual, com a criação de novos mestrados direcionados para aquilo que o mercado procura. Isto só é possível por existir uma grande relação com as empresas, chamando-as para o campus e colocando-as a trabalhar em conjunto com os alunos", frisa o autarca ao DN.

E será que se pode falar de Carcavelos antes e depois da NOVA SBE? "Claramente. Esse foi sempre um dos objetivos do projeto: construir uma escola que se integre e contribua para o desenvolvimento da comunidade. E, para tal, foi fundamental o apoio da Câmara de Cascais", garante o vice da Nova.

Opinião partilhada por Pinto Luz. "A NOVA SBE veio criar uma nova centralidade no município de Cascais. A vinda de mais de 3000 alunos, que diariamente utilizam o campus, mas também a sua envolvente, cria uma dinâmica económica, mas também de vivência, que têm tido impactos muito importantes na zona de Carcavelos. Também o elevado número de estrangeiros é interessante para a revitalização da zona, tornando-a mais cosmopolita e multicultural".

De acordo com o vice-presidente da Câmara de Cascais, "existe um grande número de alunos que se está a fixar em Carcavelos". "Não direi que se está a criar uma nova "cidade", mas sim que existe uma nova vida naquela zona", diz Pinto Luz, que é também presidente da Fundação Alfredo de Sousa: "A fundação foi criada com o objetivo da construção do campus, passando agora para uma fase de garantia da operação, gestão, manutenção, mas principalmente de apoio ao desenvolvimento da SBE, na persecução do objetivo de colocar a SBE como uma referência mundial do ensino da gestão".

ana.meireles@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG