Internamentos e incidência continuam em queda. R(t) a subir

DGS confirma mais 755 casos de covid-19 e seis mortes. Há agora 386 pessoas internadas (menos 13), entre as quais 68 estão em unidades de cuidados intensivos.

Foram registados, em 24 horas, 755 novos casos de covid-19 em Portugal, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Relatório desta quarta-feira (29 de setembro) indica também que morreram mais seis pessoas devido à infeção por SARS-CoV-2.

Dados mostram que o número de hospitalizações continua a descer. São, agora, 386 doentes internados (menos 13 face a terça-feira), dos quais 68 estão em unidades de cuidados intensivos (menos seis).

Em dia de atualização dos valores da matriz de risco, a taxa de incidência a 14 dias volta a recuar. Passa de 111,6 para 105,6 casos por 100 mil habitantes, a nível nacional. No território continental, passa de 113,5 para 107,3 infeções por 100 mi habitantes

Em sentido inverso, o índice de transmissibilidade, R(t), continua a subir e está agora em 0,87, tanto a nível nacional como no continente. Com estes valores, Portugal está na zona verde da matriz de risco.

Lisboa e Vale do Tejo, com 295 novos casos, e o Norte, com 213, são as regiões que continuam a concentrar o maior número diário de infeções.

DGS reporta ainda mais 117 casos no Centro, 60 no Algarve, 37 no Alentejo, 20 na Madeira e 13 nos Açores.

As seis mortes associadas à covid-19, registadas no boletim de hoje, ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo (uma), no Norte (uma), no Alentejo (duas) e Algarve (duas).

Registam-se mais 801 casos de pessoas que recuperaram da doença - são, no total, 1 020 067 - sendo que existem mais 50 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde, num universo de 27 441.

Perante estes dados, Portugal tem agora 30 495 casos ativos da infeção por SARS-CoV-2 (menos 52).

Desde o início da pandemia, em março de 2020, Portugal registou 1 068 530 casos de covid-19 e 17 968 pessoas óbitos.

Novas regras para pandemia publicadas em Diário da República não alteram apoios sociais

Esta quarta-feira foram publicadas em Diário da República as novas regras para pandemia. O decreto-lei não altera, para já, quaisquer apoios sociais em vigor e revoga legislação específica para a covid-19 já obsoleta.

O diploma que altera as medidas excecionais e temporárias relativas à pandemia, promulgado na terça-feira pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, contempla as medidas já anunciadas em Conselho de Ministros na passada semana para vigorar a partir de 1 de outubro, como o uso obrigatório de máscara em espaços fechados e transportes públicos.

O secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, André Moz Caldas, sublinhou em declarações à Lusa, que nesta fase em que se começa a rever a legislação em vigor relativa à gestão da pandemia se optou por ainda não fazer alterações relativamente aos apoios sociais em vigor.

Assistência no SNS recupera níveis pré-pandemia

Também esta quarta-feira, o Ministério da Saúde anunciou que a assistência ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) recuperou os níveis pré-pandemia, indicando que foram realizadas este ano, até agosto, 24 milhões de consultas, mais três milhões do que em 2019.

Nos Cuidados de Saúde Hospitalares, os dados revelam que foram feitas 8,1 milhões de consultas, o que corresponde a um crescimento de 14,8% (um milhão), face ao mesmo período de 2020 e de 0,3% (24.694) em relação a 2019.

A Administração Central do Sistema de Saúde registou ainda que foram realizadas 462 371 intervenções cirúrgicas nos primeiros oito meses do ano, um acréscimo de 30,1% (106 862) relativamente a 2020 e de 1,2% (5530) em relação a 2019.

Portugal já entregou 1,2 milhões de doses de vacinas aos PALOP e Timor-Leste

E numa altura em que Portugal tem mais de 84% da população totalmente vacinada, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, fez saber que o país já enviou 1,2 milhões de doses de vacinas para os PALOP e Timor-Leste, no âmbito do programa de cooperação.

"Neste momento, ao dia de hoje, das 3 milhões de doses que dissemos em julho que doaríamos aos PALOP e Timor-Leste, estão entregues 1,217 milhões de doses de vacinas, contando com o lote entregue na terça-feira a Moçambique e com o que chegará hoje a Angola", disse Augusto Santos Silva, à margem da assinatura de um protocolo com a TAP, que permitirá o transporte gratuito em voos comerciais destas vacinas.

"O programa começou em maio deste ano, com Cabo Verde, e neste momento todos os PALOP e Timor-Leste estão a receber vacinas, sendo que ao Brasil o apoio foi dado em forma de medicamentos e outros materiais de tratamento no período mais crítico da pandemia ao abrigo deste programa que se estende até 2022", acrescentou o governante.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG