Falta experiência aos formadores dos professores do básico e secundário

A Fundação Belmiro de Azevedo procurou saber o perfil dos responsáveis pela formação dos futuros professores de Portugal. Na análise aos resultados, David Justino aponta "margem de melhoria" no ensino, que conta com demasiados formadores sem experiência.

"Quem são os formadores de professores do ensino básico e secundário?" Foi esta a questão de partida para o novo estudo da EDULOG - o think tank da Fundação Belmiro de Azevedo vocacionado para analisar o sistema de ensino português -, um trabalho que pretendeu analisar o "Perfil académico e profissional de professores do ensino superior que asseguram a formação inicial de professores," em contexto politécnico e universitário (público e privado).

E a principal conclusão deixa um forte alerta à forma como se preparam os futuros professores do básico e secundário: os seus formadores estão "desajustados à natureza das componentes de formação", uma vez que a falta de experiência e formação educacional impedem um ensino adequado.

Perante o resultado deste trabalho, David Justino, membro do conselho consultivo do estudo, admite ao DN que face ao panorama atual "há margem de melhoria e de mudança na forma como se formam os professores". Isto porque, ainda que se verifique um nível de qualificação elevado - dado que a maioria dos docentes responsáveis por essa formação são doutorados - a preocupação cai sobre o facto de "um terço dos professores não ter formação no ramo educacional". Para agravar a situação junta-se ainda o elevado número de docentes que "nunca tiveram experiência no ensino básico e secundário".

David Justino confessa ter ficado impressionado com a "reduzida experiência da docência do ensino básico e secundário". Acredita que a falta de experiência dos orientadores acentua "o pendor mais teórico da formação" em detrimento da dimensão prática pedagógica, "que precisa de ser mais valorizada". "Ajuda muito que os nossos professores possam beneficiar dos ensinamentos da experiência, porque é já no contexto de trabalho que vão ser confrontados com as situações mais difíceis. Se pudermos capacitá-los de forma a que quando vão dar aulas já possam estar municiados com conhecimento e com experiência, é sempre vantajoso", frisa.

No entanto, não é só a experiência que está em falta. Também a investigação "deveria ser mais valorizada". Segundo a conclusão do estudo, "o volume de publicação de artigos é, de um modo geral, baixo" à custa da falta de tempo e amplitude de tarefas dos docentes do ensino superior. Logo, David Justino defende que "é necessário que os professores possam desenvolver mais investigações sobre os processos de ensino-aprendizagem". " No fundo, quer a pedagogia, quer a didática, quer a crítica de sala de aula, exigem técnicas e a aplicação dessas técnicas pode ser objeto de investigação. É necessário reforçar a investigação aplicada à educação, precisamente para que seja menos reflexiva e mais interventiva", reforça.

Quanto à formação nas diferentes áreas de ensino, o campo das Artes, pela sua especificidade e amplitude, regista as maiores dificuldades e a falta de professores demonstra ser cada vez mais um entrave: "Começamos a sentir muitas dificuldades ao nível das ciências e da matemática, visto que a oferta de formação não é tão acentuada. No domínio das artes, ainda mais."

O que podemos melhorar?

Face ao quadro da formação dos futuros professores, o estudo propõe um conjunto de medidas a serem adotadas para um ensino de qualidade em Portugal.

De acordo com David Justino, "a principal forma de podermos melhorar este quadro curricular é pedindo que o Ministério da Educação diga qual é o perfil de professor que pretende. Depois, a entidade reguladora de avaliação dos cursos do ensino superior [A3ES] poderá basear-se nesses perfis para exigir às escolas que se ajustem ao que o sistema educativo precisa".

"Sei que há falta de professores em muitos grupos de docência mas não podemos baixar o nível de exigência relativamente àquilo que é considerado um bom professor". Nessa perspetiva, "cabe ao Ministério da Educação definir quais são as capacidades, quais são as competências e qual é o perfil de formação que um professor deve ter...quer seja um educador de infância, do primeiro ciclo ou do secundário", sublinha.

O professor defende também um planeamento da oferta curricular entre estabelecimentos públicos e privados, politécnicos e universitários, "para que não andem todos a oferecer o mesmo". "Tem que haver aqui um esforço de alguma concentração, no sentido em que todas as instituições oferecem os mesmos cursos. Tem que haver um nível de especialização regional no que diz respeito à formação de professores, porque não há alunos para tantos cursos e também não há professores qualificados para assegurar esses mesmos cursos de formação de professores. Portanto tem que haver aqui alguma racionalização dos recursos que estão disponíveis", diz.

Por fim, destaca ainda a importância de "garantir que os formadores tenham condições para desenvolver projetos de investigação e de desenvolvimento profissional", ajustados a aos perfis de formação.

Para o futuro, David Justino ressalva que "vamos precisar de mais prática, nem que seja prática simulada", e "um conjunto de técnicas para além da formação geral que um professor deve ter".

ines.dias@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG