Estudo sugere menor eficácia das vacinas mRNA contra variante Delta

Na investigação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, concluiu-se que há "probabilidade significativamente superior de infeção pela variante Delta em pessoas vacinadas". Estudo analisou dois mil casos positivos de covid-19.

Um estudo do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) sugere que as vacinas de tecnologia mRNA (Pfizer e Moderna) são menos eficazes a prevenir a infeção pela variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2.

Na investigação, que está em pré-publicação e ainda não foi sujeita a revisão por pares científicos, conclui-se que há "probabilidade significativamente superior de infeção pela variante Delta em pessoas vacinadas", sensivelmente "o dobro do risco de infeção pela variante Alpha".

Esta tendência na eficácia das vacinas mRNA face à variante predominante em Portugal é igual em pessoas com uma dose ou com as duas doses do esquema completo, assinala o INSA em comunicado, indicando que o estudo epidemiológico analisou cerca de 2000 casos positivos de infeção.

"Infetados com a variante Delta apresentaram, em média, valores de carga viral mais elevados"

"De acordo com os resultados obtidos, observou-se que os infetados com a variante Delta apresentaram, em média, valores de carga viral mais elevados, o que poderá significar uma maior transmissibilidade", nota o INSA.

Estima-se que a eficácia do esquema vacinal completo, que era de 70% a 90% para a variante Alpha, desça para 41% a 80% face à Delta.

Na situação de uma toma, a eficácia de 55% a 70% face à Alpha passará para entre 24% a 49%, sugerem os resultados do estudo do INSA.

Outro dos resultados principais do estudo indica que as pessoas com duas tomas de vacina têm "menor carga viral e potencialmente menor transmissibilidade do que os indivíduos não vacinados" em relação a ambas as variantes do SARS-CoV-2.

No caso específico da Delta, a transmissibilidade é equivalente quer se tenha apenas uma toma ou ambas.

O estudo foi realizado entre maio e julho deste ano, quando a variante Delta se tornou predominante em Portugal.

A serem validadas, "estas conclusões estão de acordo com os estudos internacionais que avaliaram a efetividade das vacinas covid-19 contra a variante Delta", salienta o Instituto.

A covid-19 provocou pelo menos 4.430.846 mortes em todo o mundo, entre mais de 211,7 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.645 pessoas e foram contabilizados 1.020.546 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG