Antigo cinema Ódeon pode transformar-se em bloco de apartamentos

Projeto para edifício residencial com 13 apartamentos e uma loja já deu entrada na câmara

O antigo cinema Ódeon, em Lisboa, encerrado desde os anos 90 do século passado, pode ser reconvertido num edifício residencial com 13 apartamentos e uma loja, segundo um pedido de licenciamento que deu hoje entrada na câmara municipal.

Em declarações à Agência Lusa, o vereador Manuel Salgado, que detém os pelouros do Planeamento, Urbanismo, Reabilitação Urbana e Património adiantou que o pedido "ainda não foi apreciado" pelos serviços camarários, mas já obteve um parecer favorável condicionado da Direção Geral do Património Cultural.

O parecer é relativo às escavações arqueológicas que serão necessárias no caso de vir a ser construído estacionamento em cave.

O projeto prevê uma loja com uma área de 660 metros quadrados, que inclui a antiga boca de cena e teto do teatro, e 13 apartamentos na parte de trás do edifício, onde se localizavam os balcões, acrescentou o vereador.

Há cerca de dois anos, a câmara municipal tinha recebido um Pedido de Informação Prévia (PIP) que propunha transformar o Ódeon num centro comercial, mas o projeto "não teve seguimento", tendo entretanto o edifício sido adquirido por outros investidores, segundo Manuel Salgado.

Localizado junto ao Coliseu dos Recreios, o cinema Ódeon foi inaugurado em 1927 num edifício em estilo 'art déco', acolhendo filmes do cinema mudo e sonoro e outros espetáculos, nomeadamente de teatro radiofónico.

O cinema encerrou nos anos 90 do século passado, numa altura em que só projetava filmes pornográficos. O edifício foi esvaziado do seu recheio e as fachadas encontram-se atualmente vandalizadas e em mau estado, apesar da grande importância do edifício para a cidade de Lisboa e para o país.

Com esta decisão, fica afastada a possibilidade de o edifício ser classificado como de interesse, depois de vários processos de classificação que abortaram, nomeadamente um iniciado em 2014, que foi arquivado atendendo ao mau estado de conservação do imóvel.

Mais Notícias