AML instala 18 estações meteorológicas para medir impacto das alterações climáticas

A Área Metropolitana de Lisboa (AML) anuncia a instalação de estações para monitorizar a meteorologia, no âmbito de um projeto para reduzir a vulnerabilidade da região às alterações climáticas.

A AML anunciou esta quarta-feira o projeto CLIMA.AML, que vai permitir a monitorização da meteorologia e medir o impacto das alterações climáticas nas comunidades locais, através de 18 estações meteorológicas localizadas nos 18 municípios da AML.

Segundo a autarquia metropolitana, a implementação do CLIMA.AML está a decorrer desde janeiro deste ano e até ao final do primeiro semestre de 2023, sendo que as estações de monitorização têm de estar a funcionar nos municípios dentro de seis a sete meses.

Esta rede da AML pretende conhecer os padrões associados às alterações climáticas na região e o seu impacto nas comunidades, funcionando em complementaridade com a rede do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Além das estações, serão também instalados nove micro-sensores de medição urbana e será criada uma plataforma 'online' "que analisará todos os dados e informações essenciais de suporte à monitorização e avaliação dos dados meteorológicos", realçou a AML.

Ainda segundo a mesma fonte, o CLIMA.AML dá sequência ao Plano Metropolitano de Adaptação às Alterações Climáticas, apresentado publicamente em dezembro de 2019, e "permitirá acumular um vasto conhecimento" com a recolha e disponibilização de dados meteorológicos à escala local. Para além disto, permitirá também a recolha de dados quanto "à evolução dos impactos e eventos resultantes das alterações climáticas, os quais, progressivamente, se têm vindo a registar com maior intensidade nesta região metropolitana", acrescentou.

O objetivo, segundo a AML, é conceber políticas que possam "reduzir a vulnerabilidade e adaptar a área metropolitana de Lisboa às alterações climáticas". O projeto prevê ainda o desenvolvimento de ações de comunicação e de sensibilização para as alterações climáticas junto da comunidade educativa.

A rede do projeto CLIMA.AML vai ser construída no âmbito do programa Ambiente, Alterações Climáticas e Economia de Baixo Carbono, operado pela Secretaria-geral do Ambiente e da Ação Climática, e é financiado pelo programa EEA Grants 2014-2021.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG