Pensões: PCP avista "um bom caminho para a convergência"

Jerónimo de Sousa sentiu-se confortado com a "disponibilidade de Costa", mas lembrou também a proposta do PCP que está " em cima da mesa".

O secretário-geral do PCP considerou "um bom caminho para a convergência" a disponibilidade do Governo para um aumento real das pensões, mas reivindicou o fim do pagamento por duodécimo do subsídio de natal a pensionistas e reformados.

Estas posições foram assumidas por Jerónimo de Sousa no final da reunião do Comité Central do PCP, que aprovou as teses - projeto de resolução política -, que seguirão agora para as organizações partidárias, antes de chegarem ao congresso de Almada, entre 2 e 4 de dezembro.

Em conferência de imprensa, Jerónimo de Sousa foi confrontado com a disponibilidade manifestada pelo secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, no sentido de proceder a um aumento real das pensões mais baixas no próximo ano.

Jerónimo de Sousa afirmou desconhecer o conteúdo dessa proposta do Governo - António Costa também não a quantificou no sábado - e referiu que PCP defende um aumento extraordinário de dez euros de todas as pensões.

"Essa disponibilidade aparentemente existente da parte do Governo é um bom caminho para procurar a convergência. Há muitos anos que não há qualquer aumento para centenas de milhares de reformados e pensionistas", declarou o secretário-geral do PCP.

Ao nível da política de pensões, o líder comunista avançou com outra exigência ao Governo, esta no sentido de acabar com o pagamento do subsídio de natal dos pensionistas em duodécimos.

"É nosso objetivo colocar ao Governo, porque é um grande apelo que vem das associações de reformados e pensionistas, de receberem o subsídio de natal por inteiro. Não se justifica esta manutenção dos duodécimos", sustentou Jerónimo de Sousa.

Mais Notícias