Governo nomeia Comissão para instalar Centro para a Defesa do Atlântico

Novo organismo vai ficar sedeado na base das Lajes e pretende assumir-se como um centro de excelência a nível internacional e da NATO.

O ministro da Defesa nomeou Nuno Pinheiro Torres para presidir à comissão instaladora do futuro Centro para a Defesa do Atlântico (CeDA), a instalar na base aérea das Lajes.

Nuno Pinheiro Torres, que vai liderar uma equipa de 11 civis e militares, é diretor-geral de Política de Defesa Nacional e tem seis meses (prorrogáveis se necessário) para concluir os trabalhos de criação daquele organismo que pretende atrair outros países e organizações internacionais.

O CeDA, formalmente criado há menos de um mês, surgiu como uma das soluções passíveis de minimizar o impacto nos Açores, em particular na ilha Terceira, da saída dos EUA da base das Lajes - como será também, por exemplo, o Centro de Investigação Internacional dos Açores, lançado pelo ministro da Ciência e com particular destaque para a área espacial.

A comissão instaladora do CeDA integra, além do presidente, quatro representantes do Ministério da Defesa, um do ministério dos Negócios Estrangeiros, quatro das Forças Armadas e um do Governo Regional dos Açores.

Desenvolver a organização, conceito e missão do CeDA, definir o modo de participação e relacionamento do centro com outros países e instituições nacionais e internacionais, bem como propor mecanismos de participação de representantes dos Estados costeiros do Golfo da Guiné, são alguns dos objetivos da comissão instaladora.

O CeDA aposta no "desenvolvimento de capacidades associadas à segurança no espaço Atlântico, com especial enfoque, por um lado, no domínio marítimo, mas igualmente com um alcance nos domínios terrestre, aéreo e da ciberdefesa", refere o texto da sua constituição.

A prazo, o centro ambiciona posicionar-se como "um centro de excelência no contexto internacional e, a médio prazo, como centro de excelência OTAN, promovendo a identificação, a análise e a definição de estratégias e de planos de ação, bem como a sua implementação, com o objetivo de combater e mitigar as ameaças que no presente afetam o espaço Atlântico", acrescenta o documento aprovado em Conselho de Ministros e publicado a 23 de maio.

Mais Notícias