Cristas falha união do partido. Lobo d'Ávila avança com lista para o Conselho Nacional

"Também queremos unidade, mas com diversidade", justificou o porta-voz da comissão executiva do CDS.

Sem fações, sem ruturas, sem feridas. Assunção Cristas queria avançar para a liderança com o partido em perfeita sintonia com o aparelho. Como a maestrina de uma orquestra afinada, que acabou de receber a batuta e não quer notas fora do tom. Mas nem os palavras de união, nem os apelos de Paulo Portas e de Nuno Melo impediram um som desafinado: o de um grupo liderado por Filipe Lobo d'Ávila, que anunciou ao final na noite que iria apresentar uma lista autónoma ao Conselho Nacional.
Paulo Portas tinha deixado claro o seu desejo de deixar um partido em "unidade", empurrando para a margem potenciais fações de contestação à sucessora que prefere.
"Os portugueses têm escassa paciência para divisões sem sentido, disputas dentro de aparelhos partidários que nem chegam a interessar. Preocupem-se com o que o CDS renovado pode fazer por Portugal. Não percam tempo a discutir qual o lugar de cada um nesse CDS renovado", frisou.
AS palavras foram interpretadas como um recado ao grupo liderado por Filipe Lobo d'Ávila, subscritor de uma moção provocadora a Cristas e que tinha vindo, nos bastidores do congresso, a dar alguns sinais de que poderia avançar com uma lista autónoma ao Conselho Nacional. Lobo d'Ávila foi sempre um apoiante de Nuno Melo e defendeu que deveria ser este dirigente a liderar o partido pela sua "maior combatividade", que entendia ser uma qualidade necessária no novo ciclo.
Por sua vez, na sua intervenção Assunção Cristas insistiu na pacificação do CDS e lançou a ponte para entendimentos. "Comigo não fica ninguém excluído. Não há ninguém que não possa encontrar o seu lugar no CDS" , sublinhou.
A seguir foi a vez de Nuno Melo, convidado por Cristas para ser o seu primeiro vice-presidente, tentar sarar qualquer ferida ainda aberta, colocando-se inequivocamente ao lado da futura líder e deixando implícita a sugestão para que aqueles que o apoiaram façam o mesmo: "A Assunção Cristas está em muito melhores condições para liderar o CDS do que eu próprio estaria neste momento. O meu empenho será total para que a Assunção tenha uma liderança de sucesso e muito duradoura. E se correr mal, eu cá estarei para assumir as responsabilidades", afirmou.
Ávila entendeu e numa primeira reação admitiu que não iria avançar com a lista. "Não queremos ser vistos como oposição, como estando acantonados. Demos o nosso contributo ao partido. O partido fará com ele o que bem entender. Participamos todos de muitas formas", disse ao DN. Mais tarde, porém, mudava de ideias. "Também queremos unidade, mas com diversidade" e por isso "vamos dar o nosso contributo no Conselho Nacional, justificou.

O Conselho Nacional é o órgão deliberativo máximo entre congressos. Os seus membros são eleitos pelo método de Hondt, de acordo com o número de votos que cada lista concorrente alcança.

Mais Notícias