Moedas acusa PS de adormecer país e Medina de ter sido "fiel porta-voz" de Sócrates

"Fernando Medina veio ao Congresso do PS medir forças com os seus concorrentes. Eu estou aqui para ser presidente da Câmara de Lisboa", assegurou.

O candidato do PSD à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, acusou este sábado o PS de adormecer a sociedade e o seu adversário Fernando Medina de não gostar de ser escrutinado, dizendo que foi "um fiel porta-voz" de José Sócrates.

"O PS imprimiu uma estratégia de condicionamento que tem levado ao adormecimento social. Este é o momento de combater as ficções criadas e repetidas por uma esquerda socialista que condiciona, adormece. E tudo faz para limitar a ação da sociedade civil", acusou Carlos Moedas, na sua intervenção no Fórum Nacional Autárquico do partido, que decorre hoje à tarde em Faro.

Moedas recordou que o Congresso do PS decorre a poucas dezenas de quilómetros (em Portimão) e fez questão de traçar o que consideram serem os "anos-luz" que separam os dois partidos.

"O PSD sempre governou a pensar no país. O PS governa a pensar no partido. O PSD sempre governou a pensar a nas gerações futuras. O PS governa a pensar nas futuras eleições", criticou.

O antigo comissário europeu defendeu que também ele se distingue do seu adversário socialista à autarquia da capital: "Fernando Medina veio ao Congresso do PS medir forças com os seus concorrentes. Eu estou aqui para ser presidente da Câmara de Lisboa", assegurou.

"Cabe-nos ser a voz de quem tem medo de levantar a voz por represálias socialistas", afirmou.

O antigo secretário de Estado de Pedro Passos Coelho acusou os socialistas de não gostarem de "ser escrutinados", centrando uma vez mais o ataque no seu adversário direto.

"Para Fernando Medina o escrutínio é sempre uma teoria da conspiração, uma cabala. E sabemos como acabaram as cabalas protagonizadas por José Sócrates, de quem Medina foi um fiel porta-voz e membro do Governo, em que, quando o país estava a cair, Medina estava a gritar por José Sócrates", criticou.

Na sua intervenção, Moedas deixou um 'recado' ao secretário-geral do PS, dizendo que "está enganado" ao dizer que o PS é o maior partido autárquico.

"O maior partido autárquico da história da democracia somos nós, é o PSD, desde 76 liderámos câmaras mais de 1500 vezes, muito mais que todos os outros", afirmou.

O candidato reiterou o seu compromisso de baixar os impostos que dependem da autarquia e desafiou o PSD a ser o partido "que diz que tem de se baixar impostos", porque "as pessoas já não aguentam tantas taxas e taxinhas".

Numa alusão ao chamado Russiagate na autarquia lisboeta, Moedas deixou uma mensagem aos funcionários da autarquia lisboeta: "Nunca passarei culpas a um funcionário da Câmara Municipal".

Antes, o candidato à Câmara do Porto, Vladimiro Feliz, apelou a uma vitória do PSD nas autárquicas de 26 de setembro, dizendo que só assim se pode para "travar o caminho para a venezuelização do país".

O candidato a Coimbra, o independente José Manuel Silva, que encabeça uma coligação liderada pelo PSD disse esperar vencer a autarquia com maioria, elegendo seis dos 11 vereadores.

"Pela primeira vez, há um candidato independente proposto por sete partidos políticos e um movimento. Já nos acusaram de sermos uma miscelânea, eu respondi que somos uma boa coletânea", ironizou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG