Jornalistas vigiados. Marcelo defende audição de Joana Marques Vidal

A antiga PGR não pode ser envolvida no caso das vigilâncias a jornalistas sem ser ouvida também. Marcelo quer um inquérito e sugere a intervenção do Parlamento

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa considera que o caso de dois jornalistas vigiados pela PSP a mando do Ministério Público sem ordem de um juiz deve ser alvo de um inquérito, devendo nesse inquérito ser ouvida a procuradora-geral da República à data dos factos, Joana Marques Vidal.

Numa entrevista Rádio Renascença/Público hoje divulgada, Marcelo afirma que "o caminho que neste momento determinado faz sentido, que é determinar um inquérito para saber o que se passou" - e "em função desse inquérito poder haver uma explicação, se for solicitada pela Assembleia da República".

Mas - acrescenta - "este caso reporta-se a um período anterior ao mandato da atual procuradora-geral da República [e] isso torna o caso naturalmente de julgamento mais sensível".

Ou seja: "Tendo presente esta sensibilidade que é, ainda por cima reportar-se a um período que não é o atual, é um passado e, portanto, isso obriga a um esclarecimento sempre salvaguardando que os responsáveis da época, não sendo os de hoje, não podem ser envolvidos sem serem ouvidos."

O caso ocorreu em 2018, mas antes de Lucília Gago substituir Joana Marques Vidal no cargo de procuradora-geral da República (o que ocorreu em outubro).

A procuradora Andrea Marques, do Departamento de Investigação e Ação penal (DIAP) de Lisboa instaurou um inquérito para apurar fugas de informação no processo "e-toupeira", tendo constituído arguidos o coordenador superior da PJ Pedro Fonseca e os jornalistas Carlos Rodrigues Lima, da revista Sábado, e Henrique Machado, ex-correio da Manhã e atualmente na TV.

A magistrada pediu vigilância policial para os dois jornalistas, e o levantamento do sigilo bancário de um deles - e tudo isso sem autorização de um juiz.

Segundo a revista "Sábado", as diligências decididas por Andrea Marques tiveram o aval da diretora do DIAP, Fernanda Pego.

O DIAP, logo a seguir, garantiu que a vigilância policial não tinha de ser autorizada por qualquer juiz e que o processo decorreu "com respeito pela legalidade", considerando a diligência "de extrema relevância probatória" para compreender com quem se relacionavam e que tipo de contactos estes jornalistas estabeleciam com "fontes do processo" para "identificar os autores das fugas de informação, também eles agentes da prática de crimes".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG