PCP contra "chantagem do Governo" sobre as autarquias e o Parlamento

Líder parlamentar comunista diz que "não é uma autarquia que está a obstaculizar este processo" e acusa o Governo de querer fazer um "apeadeiro" no Montijo.

O PCP acusa o Governo de estar a fazer "chantagem" sobre as autarquias e a Assembleia da República para avançar com a construção do novo aeroporto do Montijo e diz que o executivo socialista está "disposto a tudo" para "satisfazer os interesses da multinacional francesa Vinci".

"O nível dos argumentos que têm sido utilizados nos últimos dias para deturpar a realidade e chantagear a Assembleia da República é absolutamente inaceitável", afirmou esta sexta-feira o líder parlamentar comunista, João Oliveira, em conferência de imprensa no Parlamento, acrescentando que o PCP "não cede à chantagem que o Governo PS e os grupos económicos" estão a fazer.

Questionado sobre se admite algum diálogo com o Governo no sentido de ultrapassar o veto de duas autarquias comunistas à construção do novo aeroporto do Montijo, João Oliveira deixou claro que este cenário não está em cima da mesa.

"O Governo do PS está disposto a tudo para satisfazer integralmente os interesses da multinacional francesa Vinci"

Recorde-se que a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) só pode dar parecer favorável à construção do novo aeroporto se todas as autarquias afetadas pela infraestrutura derem parecer positivo, o que não aconteceu neste caso - as câmaras da Moita e do Seixal, ambas da CDU, deram parecer negativo. Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, já defendeu a alteração da lei que confere esta prerrogativa aos municípios, mas esta posição não deverá obter maioria entre os deputados.

Já sobre os custos invocados pelo primeiro-ministro, que afirmou que reiniciar todo o processo do novo aeroporto sairá muito caro à economia portuguesa, o líder parlamentar do PCP defende que "o que tem custos é abdicar de um investimento no campo de tiro de Alcochete".

Para o PCP, o novo aeroporto do Montijo não será mais que um "apeadeiro" do aeroporto da Portela. E essa é, aliás, a intenção do Governo, acusam os comunistas. "Na verdade é na manutenção da Portela pelas próximas décadas e não na construção de um novo aeroporto internacional que a multinacional francesa [a Vinci] está interessada. É esta realidade que o Governo quer iludir", acrescentou João Oliveira.

Mais Notícias