Jerónimo abre debate interno para congresso e defende rutura com política de direita do PS

Líder do PCP definiu como "questão estratégica" a "rutura" com a "política de direita" do PS e a luta por uma "política patriótica e de esquerda"

O líder do PCP abriu esta quinta-feira o debate interno das teses ao congresso de novembro e definiu como "questão estratégica" a "rutura" com a "política de direita" do PS e a luta por uma "política patriótica e de esquerda".

Numa sessão, em Lisboa, Jerónimo de Sousa fez uma síntese, ao longo de 27 minutos, do projeto de resolução politica que será aprovada no XXI congresso nacional, em Loures, em novembro, desde a crise do capitalismo, às bases marxistas-leninistas do partido, passando pela situação nacional e pela experiência da "geringonça", de 2015 a 2019, que na terminologia comunista se chama "nova fase da vida política nacional".

No final da intervenção, ouvida em silêncio por cerca de 150 militantes e dirigentes do PCP, divididos em duas salas na Casa do Alentejo, o líder dos comunistas definiu a "questão estratégica".

"A rutura com política de direita e a luta por uma política alternativa, patriótica e de esquerda são a questão estratégica que se coloca à ação do partido, à luta do trabalhadores e do povo" e que apela à "convergência da patriotas e democratas", disse Jerónimo, sem uma vez se referir, neste capítulo, ao PS.

Ao PS, com quem o PCP assinou posições comuns e permitiu um governo minoritário socialista de 2015 a 2019, com o apoio da esquerda, Jerónimo de Sousa só se referiu para salientar que seguiu opções e políticas de direita nos últimos anos, juntamente com o PSD e o CDS.

A atual situação política nacional, afirmou, "põe em evidência, face à política do governo do PS, às tentativas de reabilitação do PSD e do CDS e a sua crescente convergência com o PS a necessidade de uma luta por uma política patriótica e de esquerda".

Na sua intervenção, Jerónimo de Sousa fez um apelo à participação e empenhamento dos militantes e dirigentes, o "coletivo partidário", na preparação do congresso, apesar das restrições devido à pandemia de covid-19.

Até novembro, na terceira fase da preparação do congresso, as estruturas e dirigentes do partido vão discutir e propor alterações ao texto das chamadas teses, a estratégia do PCP, que serão votadas pelos delegados.

O XXI congresso do PCP realiza-se em 27, 28 e 29 de novembro de 2020 no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures, distrito de Lisboa, sob o lema "Organizar, Lutar, Avançar - Democracia e Socialismo".

Mais Notícias