Portugueses retidos em Marrocos pedem ajuda para sair. TAP vai enviar dois aviões

Marrocos cancelou todos os voos e dezenas de portugueses ficaram retidos no país africano. Autoridades portuguesas vão enviar ainda neste domingo dois aviões para os repatriar.

Dezenas de portugueses estão retidos em Marrocos e pedem a ajuda do Governo português para sair daquele país que "cancelou todos os voos internacionais", para evitar a propagação do novo coronavírus, contou à Lusa um deles. A TAP, entretanto, vai enviar ainda neste domingo dois aviões para os repatriar, antes das 20.00, anunciou Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros.

"Essa ajuda está a ser organizada e nós temos neste momento em preparação dois voos da TAP fretados pelo MNE que se realizarão ainda hoje, desejavelmente até às 20.00, visto que essa foi a hora limite determinada pelas autoridades marroquinas", afirmou Santos Silva à Lusa.

Os dois voos serão realizados a partir de Marraquexe para Lisboa, porque "a grande maioria dos portugueses que foram nestes dois dias pedindo apoio à embaixada de Portugal em Marrocos sinalizaram estar em Marraquexe". O número de portugueses que já pediram apoio "excede a capacidade de um só avião, por isso é que estamos a organizar dois voos", sublinhou o ministro.

"Espero que eles se realizem, visto que da nossa parte está tudo planeado para ser feito e por isso mesmo é que a nossa embaixada tem contactado os portugueses que pediram apoio pedindo-lhes que se dirijam já para o balcão da TAP no Aeroporto de Marraquexe para se proceder às inscrições devidas para que possamos ter as litas dos passageiros e tudo esteja devidamente regularizado e em ordem para que os voos se realizem", acrescentou Santos Silva.

"Estou em Marraquexe, com mais cerca de 80 portugueses, alguns estão em Casablanca e Rabat. Ontem [sábado] à tarde fizemos o 'check-in' e estava tudo bem, à noite recebemos um e-mail a dizer que o voo estava cancelado. Estamos aqui desesperados", afirmou à Lusa António Borges da Costa, um dos portugueses retidos em Marrocos, ainda antes de saber dos dois voos da TAP.

O cidadão português disse que já tinham contactado a embaixada e enviaram todos os dados pessoais e informações sobre os locais onde se encontram. "Estamos a pedir a ajuda do Governo português. Não temos solução, por terra também não podemos sair, porque dizem-nos que as fronteiras estão fechadas e, além disso, é perigoso", referiu.

Segundo explicou à Lusa, o grupo de portugueses é grande e o que se está a fazer é dividi-los em grupos mais pequenos, também para se precaverem de um eventual contágio pelo novo coronavírus.

"Estamos a ficar em pânico, porque entretanto, dizem-nos, que o Rei de Marrocos fez uma comunicação a dizer que a partir de amanhã [segunda-feira] todos os ocidentais tem de sair do país, não sabemos como, porque não há voos para lado algum. Já tentamos várias companhias e não há nada", sublinhou. E frisou: "Estamos numa situação desesperada, porque por um lado fecharam o aeroporto e por outro querem-nos fora do país". "Não queremos sobrecarregar o Governo português, só queremos é que nos tire daqui", acrescentou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG