Portugal com 691 novos casos de covid-19 e três mortes nas últimas 24 horas

Os dados do boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde indicam que há 22.549 casos ativos de covid-19 em Portugal (mais 302 do que na quarta-feira). O número de internamentos continua a aumentar. Existem agora 588 doentes hospitalizados, dos quais 85 em unidades de cuidados continuados.

Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 691 casos de covid-19 (um crescimento de 0,98%) e três mortes, de acordo com os dados do boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde (DGS), divulgado esta quinta-feira (24 de setembro). Desde o início da pandemia no país, em março, foram confirmados 71.156 casos positivos da doença causada pela infeção do novo coronavírus e 1.931 óbitos.

Os dados mostram que há mais 386 pessoas recuperadas, num total de 46.676, e que Portugal tem atualmente 22.549 casos ativos de covid-19 (mais 302 do que na quarta-feira).

Há mais 17 pessoas internadas, elevando para 588 o número de hospitalizações. São agora 85 os doentes internados em unidades de cuidados intensivos, mais oito do que na véspera.

Dos novos casos reportados no boletim da DGS, 321 foram identificados em Lisboa e Vale do Tejo - o que corresponde a 46,45% do total nacional de novas infeções -, 267 na região Norte, 73 no Centro, 11 no Alentejo e 16 no Algarve. Há mais dois casos nos Açores e um na Madeira.

O boletim da DGS indica que as três mortes reportadas nas últimas 24 horas registaram-se em Lisboa e Vale do Tejo (duas) e no Centro (uma). Duas das vítimas mortais tinham mais de 80 anos e uma estava na faixa etária entre os 60 e os 69 anos.

O boletim da DGS indica ainda que há 41.696 pessoas em vigilância pelas autoridades de saúde, mais 931 em relação ao dia anterior.

Desde o início da pandemia, foram infetados pelo novo coronavírus 32.197 homens e 38.959 mulheres.

Do total de vítimas mortais, 976 eram homens e 955 mulheres.

De acordo com a ministra da Saúde, Marta Temido, Portugal tem 285 surtos ativos, 45% dos quais centram-se na região Norte, que regista 129 focos da doença. Há 27 surtos no Centro, 90 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 15 no Alentejo e 24 no Algarve, informou a ministra durante a conferência de imprensa de quarta-feira sobre a evolução da pandemia em Portugal.

Situação de contingência estende-se até 15 de outubro

Já esta quinta-feira, o Governo decidiu na reunião de Conselho de Ministros, prorrogar a vigência da situação de contingência em Portugal continental até às 23:59 de 14 de outubro face a um quadro de aumento de casos de covid-19 nas últimas cinco semanas.

A decisão do Governo foi anunciada pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, adiantando que a situação de contingência em Portugal continental será reavaliada pelo executivo dentro de duas semanas, então já com uma análise mais aprofundada sobre o impacto das primeiras semanas de aulas nas escolas.

Portugal com "tendência preocupante" de casos de covid-19, mas com "risco moderado"

Perante o aumento de casos de infeção que o país tem registado, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) colocou esta quinta-feira Portugal num grupo de Estados com "tendência preocupante" de casos de covid-19, mas com "risco moderado".

Na avaliação de risco, o ECDC aponta que os casos positivos de infeção com o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, aumentaram de forma sustentada em toda a União Europeia desde agosto, o que demonstra que "as medidas tomadas nem sempre foram suficientes para reduzir ou controlar a exposição", advertindo que "é por isso crucial que os Estados-membros implementem todas as medidas necessárias aos primeiros sinais de novos surtos".

Segundo o Centro, intervenções não farmacêuticas tais como distanciamento físico, higiene e uso de máscaras revelaram-se insuficientes para reduzir ou controlar a exposição ao coronavírus.

Ainda assim, a diretora do organismo, Andrea Ammon, apontou que, "até haver uma vacina segura e eficaz disponível, estas medidas continuam a ser a principal ferramenta de saúde pública para controlar e gerir os surtos" de covid-19.

Nesta avaliação atualizada, o ECDC dividiu os Estados-membros em três grupos: aqueles que apresentam uma "tendência estável e um risco reduzido", os que têm uma "tendência preocupante, mas um risco moderado" e os que evidenciam "uma tendência preocupante e um risco elevado".

Portugal é colocado no subgrupo com tendência preocupante, mas com um risco considerado moderado, que inclui os países onde são notificadas taxas [de infeção] elevadas e crescentes devido às elevadas taxas de testes realizados, e a transmissão é notificada prioritariamente em indivíduos jovens, com uma baixa proporção de casos graves e baixas taxas de notificação de morte.

Mais de 978 mil mortos e 31,9 milhões de infetados em todo mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a mais de 978 mil pessoas e infetou mais de 31,9 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, desta quinta-feira às 12.00 (hora de Lisboa), já morreram pelo menos 978.448 pessoas e de 31.975.020 foram infetadas em 196 países e territórios desde o início da epidemia de covid-19, em dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 21.891.500 pessoas já foram consideradas curadas pelas autoridades de saúde.

Com Lusa.

Mais Notícias