Google mostrava telefone de PNR como contacto do SOS Racismo

Uma cidadã que queria entrar em contacto com a associação denunciou a situação "gravíssima", segundo comunicado oficial do SOS racismo, que quer ver os responsáveis pela troca de contacto "identificados e punidos".

A denúncia foi feita por uma cidadã que queria entrar em contacto com a organização de luta contra o racismo e que decidiu fazer uma pesquisa no Google. No entanto, o contacto indicado para a linha SOS Racismo era, na verdade, o número oficial do Partido Nacional Renovador (PNR), de extrema-direita.

"Soubemos isto ontem [sábado] ao final do dia, tentámos logo corrigir o número de telemóvel, retirando-o. Durante o dia de hoje temos tentado resolver a questão junto da Google, perguntando se é possível fornecerem-nos os dados de quem é que colocou lá aquele telemóvel", afirmou à Lusa o responsável Nuno Silva, acrescentando que, na segunda-feira, a associação irá formalizar uma queixa ao Ministério Público.

Apesar de a situação já ter sido corrigida, Nuno Silva sublinha que é preciso perceber o que aconteceu. "Falta perceber como é que aquele telemóvel foi lá parar. Se foi uma brincadeira de mau gosto, se foi intencional, se foi um erro. Vamos ver se a Google nos responde e vamos apresentar queixa no MP para depois fazerem a investigação que entenderem necessária", explicou.

O erro foi reportado à SOS Racismo por uma mulher que tentou, durante várias semanas, contactar a associação, mas cujas chamadas telefónicas iam sendo atendidas por pessoas do ultranacionalista Partido Nacional Renovador, de extrema-direita.

"Uma senhora encontrou-se com um dos elementos do SOS e questionou o facto de não conseguir entrar em contacto connosco por telefone. Tinha tentado várias vezes e respondiam-lhe sempre do PNR", contou o responsável da associação de luta contra o racismo, adiantando que o número em causa tinha sido encontrado através do motor de pesquisa Google.

"Fomos confirmar e, de facto, colocando a designação SOS Racismo no Google, a informação que aparecia era referente à morada da sede, que estava correta, e depois constava um telemóvel que não é o da associação", adiantou Nuno Silva.

Uma pesquisa em alguns 'sites' e "na própria página do PNR" levou os dirigentes da associação a confirmar que o número de telemóvel que surgia associado à SOS Racismo "está atribuído a esse partido".

Embora tenha admitido não saber há quanto tempo a situação se mantinha, Nuno Silva adiantou que seria "há pelo menos algumas semanas", a avaliar pela altura em que foi feito o contacto pela pessoa que denunciou o caso.

"Solicitámos à Google que os elementos fossem retificados - já foram -- (...), mas não sabemos quantas pessoas terão telefonado para o PNR julgando estar a ligar para o SOS Racismo", lamentou, pedindo a quem o fez para falar "agora diretamente" com a associação.

A denúncia motivou um comunicado da associação que partilhou um comunicado na sua página de Facebook.

"Utilizando o Google e pesquisando por 'SOS Racismo', o site disponibiliza a informação sobre a morada da sede da associação (que está correta) e um número de telemóvel - 964 378 225 - que não corresponde a nenhum contacto da associação", lê-se no texto partilhado na rede social. Na mesma publicação são ainda partilhados vários printscreens da página de pesquisa do Google.

"No próprio site do PNR, verificamos que o mesmo está registado em nome deste partido e é apresentado como o seu contacto oficial", alerta o SOS Racismo, que informa desconhecer há quanto tempo a informação circula no Google, "e quantas pessoas e entidades já terão contactado o PNR , pretendendo contactar o SOS Racismo".

"Esta situação é gravíssima, e o SOS Racismo tudo fará para que a informação verdadeira seja reposta no Google, e para que os responsáveis sejam identificados e punidos", lê-se ainda no comunicado.

Entretanto, após a publicação do texto - e com a denúncia de quem percebeu a troca de contactos - a informação já desapareceu do Google.

Mais Notícias