Constituídos 21 arguidos em operação de combate a fraude no SNS

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária refere que os alegados crimes lesaram o Estado português em mais de 700 mil euros.

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta terça-feira a constituição de 21 arguidos no âmbito da Operação Antídoto, na qual foram concluídas duas investigações relacionadas com fraude no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

De acordo com um comunicado daquela unidade da PJ, as investigações foram dadas como concluídas, tendo sido apurados "factos suscetíveis de enquadrar os crimes de corrupção, burla qualificada, falsificação de documentos, branqueamento e associação criminosa".

Ainda de acordo com a mesma nota, este conjunto de alegados crimes terão provocado ao Estado português "um prejuízo de mais de 700 mil euros, por via do pagamento de taxas de comparticipação, de forma fraudulenta".

A UNCC revela ainda que, no âmbito desta Operação Antídoto, foram feitas várias detenções, além de terem sido constituídas arguidas 19 pessoas singulares e duas coletivas. Os inquéritos foram entretanto remetidos para o DIAP de Sintra e de Évora.

"As fraudes contra o SNS envolvem, em regra, planos bem estruturados onde impera uma lógica direcionada para a obtenção de elevados lucros, por parte dos seus autores, com a consequente delapidação de recursos do erário público e com prejuízo para o bom funcionamento das instituições", refere o comunicado da Polícia Judiciária.

Mais Notícias