Males e remédios modernos

No passado, as tragédias aconteciam por falta de informação. Édipo não sabia que Jocasta era sua mãe, por isso casou-se com ela. Em 8 de janeiro de 1815, milhares de soldados ingleses e norte-americanos bateram-se em Nova Orleães, porque o navio que trazia a notícia da assinatura da Paz de Gand (24.12.1814) ainda não tinha chegado às costas dos EUA. Hoje, bem pelo contrário, o nosso problema é o excesso de informação. Desde a altamente qualificada, como é o caso das obras clássicas, que antes apenas podíamos consultar em bibliotecas de topo, e agora podemos descarregar displicentemente nos nossos computadores portáteis, mas sobretudo a falsa informação, construída por uma indústria da "mentira organizada". Ela usa os talentos da informática para envenenar as mentes com o vírus binário do tribalismo e do fanatismo, tal como na Primeira Guerra Mundial se recorria aos melhores professores de Química para a tarefa "patriótica" de fabricar os gases tóxicos que sufocariam até à morte os exércitos de adolescentes, que a loucura dos impérios imolou na guerra das trincheiras.

No passado, o problema residia na ignorância pura e dura. A começar nas infelizes multidões analfabetas, que viviam e morriam nos campos agrícolas ou nas insalubres cidades europeias. No século das Luzes a esperança chamava-se educação. Em 1792, o marquês de Condorcet, o primeiro republicano da Revolução Francesa, elaborou o primeiro projeto de ensino público universal, sem discriminação de género. Não demorou muito tempo a perceber-se que, mesmo com o aumento extraordinário dos níveis de instrução, não se resolviam os limites estruturais da condição humana. Muitas das dificuldades que, antes, se julgava poderem ser atribuídas à iliteracia, afinal, tinham a sua funda raiz nesse "lenho retorcido" (como diria Lutero) que é o nosso software mais profundo.

Hoje o nosso problema é a existência de uma multidão arrogante, com instrução formal, e que se lança ao mistério da vida com o atrevimento dos idiotas funcionais. Esses "senhorzitos satisfeitos" (assim batizados pelo arguto Ortega y Gasset) estão por todo o lado, ocupando demasiadas vezes posições de comando. Falta-lhes a visão do todo. Pior, nem sequer lhe sentem a falta. Decidem a partir da pequena janela em que se julgam especialistas, e têm uma absoluta falta de senso comum. A sua assinatura encontra-se escondida debaixo dos escombros das muitas tragédias que semeiam, como foi o caso da crise global do sistema financeiro de que ainda lambemos as feridas.

Para estes dois males, informação tóxica e idiotia funcional dos "especialistas" assumidos, não existe nenhuma app que se possa adquirir na internet. Por outro lado, não me parece sensato confiar apenas às políticas públicas - também elas tantas vezes vítimas de dados intoxicados e analistas obtusos - os cuidados que, de acordo com o atlético princípio da subsidiariedade, são tomados com mais eficácia e afinco no plano pessoal, isto é, por cada um de nós. Para ambos os males modernos, importa equiparmo-nos com espírito crítico e desconfiança metódica. Nunca aceitar uma informação sem a submeter a todos os testes de verificação, para aquilatar da sua credibilidade (na fonte, no conteúdo, na correspondência aos fenómenos reais). A desconfiança metódica é a mais potente terapia para não cairmos na armadilha do pensamento mágico. Só essa desconfiança nos permitirá guardar força vital para os desafios que se aproximam.

Professor universitário

Mais Notícias

Outras Notícias GMG