Jogos Olímpicos de Tóquio: superação a todos os níveis

No dia 7 de Setembro de 2013, o Japão recebia a notícia que tanto almejava - Tóquio iria ser a cidade anfitriã das Olimpíadas em 2020. Todos nos unimos, festejámos e regozijámos pela honra de receber tão nobre celebração mundial. Sabíamos que iriam, mais uma vez, marcar a nossa história, depois das Olimpíadas de 1964, mas o que desconhecíamos então, é que iriam também ficar registados na memória mundial por outras razões - Tóquio 2020 seriam os primeiros Jogos Olímpicos a decorrer no meio de uma pandemia mundial.

Numa superação a todos os níveis, depois de adiarmos os Jogos por 1 ano e de termos enfrentado decisões dolorosas, conseguimos, durante 16 dias, demonstrar que o poder unificador do desporto é mais forte, num espírito de solidariedade e paz.

Nesta caminhada, reconheço que sofremos várias críticas, sobretudo sentidas internamente, mas creio que a comunidade internacional avalia positivamente o trabalho que desenvolvemos. O comité organizador tinha em mãos uma tarefa acrescida, centrada na segurança, não só dos atletas, mas também das suas delegações, staff, voluntários, entre outros. Creio que essa meta foi alcançada, dentro do possível, com o planeamento e implementação de medidas, num contexto de grande dificuldade e incerteza. Foi uma prova de força, onde a união de todos permitiu alcançar o sucesso do evento. Gostaria de expressar a minha profunda gratidão e respeito a todos os que trabalharam sem poupar esforços para alcançarmos o nosso objetivo.

Este sucesso não teve a nota máxima. Entre algumas adversidades, destacam-se as grandes restrições sentidas pelos jornalistas, no contexto das medidas contra a propagação do vírus, bem como entre os próprios atletas e acompanhantes em espaços fora da Aldeia Olímpica, indo contra as indicações do Comité Organizador e tendo gerado, esse incumprimento, uma certa preocupação entre a população.

Como sabem, antes dos Jogos Olímpicos, a maioria do povo japonês não estava a favor da realização das Olimpíadas, pela preocupação e incerteza vindas da pandemia. O Japão estava a enfrentar um aumento de casos de infeção e um ritmo lento de vacinação. Porém, o sentimento do povo foi mudando durante o decurso dos Jogos; ao acompanharem pela TV os muitos atletas japoneses que iam atingindo lugares no pódio, ficaram rendidos à magia dos Jogos. Francamente, sinto-me muito orgulhoso pelo resultado dos atletas japoneses (27 medalhas ouro, 14 prata e 17 bronze), o melhor resultado em todas as olimpíadas.

Creio que este sentimento positivo também se deve ao bom trabalho dos media. Foram transmitidos muitos programas na TV, com depoimentos dos atletas, o seu percurso até chegarem a esta fase, depois de uma intensa preparação, juntamente com palavras de encorajamento e apoio partilhados pelas próprias famílias e amigos. Muitas pessoas assimilaram as vitórias dos atletas como se fossem delas próprias, enaltecendo a concretização do sonho pelo esforço continuo. Sentimo-nos comovidos por testemunharmos a superação e a capacidade do ser humano, independentemente das cores da medalha e das nacionalidades.

Permitam-me apresentar os meus parabéns aos atletas portugueses. A seguir ao Japão, estava a torcer pelos meus amigos de Portugal que tiveram uma excelente prestação. Sinto-me muito feliz pelo vosso desempenho, muito em especial por ter conhecido a delegação portuguesa na cerimónia de despedida da Missão Olímpica para Tóquio, no dia 5 de julho, na presença do Senhor Presidente da República.

A partir do próximo dia 24, terão lugar os Jogos Paralímpicos Tóquio 2020. Espero que o evento seja realizado com a máxima segurança possível e que possamos assistir a bons espetáculos desportivos, com todo o nosso apoio.

Embaixador do Japão em Portugal

Mais Notícias

Outras Notícias GMG