A redenção de Bretman Rock

Bretman Rock, filipino, nascido em 1998, faz aquilo que quase todos os jovens influencers fazem. A saber: tem uma conta no Instagram em que publica muitas selfies, com predomínio para retratos ao espelho a fazer caretas.

Ao escrever este texto, verifico que já vai em 1632 publicações. No dia 10 de julho, por exemplo, descubro-o numa série de cinco fotos a "atualizar" informação sobre a sua cabeleira. O portefólio, consagrado por mais de um milhão de gostos, inclui um esclarecimento transcendental: "Nem sequer sei por que sinto a necessidade de publicar uma atualização do crescimento do cabelo..."

Ao que parece, a sua carreira começou no YouTube, com vídeos dedicados a conselhos de beleza, conduzindo-o, entre outras glórias, ao protagonismo de um reality show na MTV (Following: Bretman Rock). Este ano tem estado a publicar, também no YouTube, uma série de vídeos (30 Days With: Bretman Rock), que, a certa altura, o apresentam como um explorador da selva lutando pela sobrevivência...

Surgiu, assim, uma perturbante dúvida existencial: como é que um influencer dado aos valores da elegância, especialista nos artifícios do guarda-roupa, consegue enfrentar as agruras de uma floresta recheada de ameaças? No episódio publicado a 14 de julho, um dos jovens comentadores da série coloca-nos a par da tragédia iminente: "Bretman na floresta, sem ligação com o mundo, sem espelhos, é uma situação em que temos um narcisista sem um reflexo de si próprio - e isso é muito difícil..."

Imagine-se! De qualquer modo, nos momentos finais desse mesmo episódio, depois da felicidade que foi conseguir fazer uma fogueira no meio da floresta, Bretman confessa-nos que, agora, se vê como o "rei da selva". E desemboca na pergunta que, modestamente, já tínhamos pressentido: "Qual é a minha mensagem para o universo?" Pois bem, eis a resposta: "Sinto que estou preparado. Estou preparado seja para o que for que tenham reservado para mim."

Nada disto é excecional. Decorre mesmo de uma regra institucionalizada pelo poder mais perverso da chamada globalização: ser jovem no mundo virtual que se autoproclama "social" passou a confundir-se com a duvidosa arte de dizer banalidades e celebrar a irrisão. Como alguns jovens, precisamente, há cerca de um ano e meio, algures no Algarve, respondendo a uma reportagem televisiva sobre a crescente ameaça da covid-19: sem máscara, garrafa de cerveja na mão, perguntavam com comovente candura qual era o problema ◘- eram "apenas" jovens, estavam "apenas" a divertir-se.

Tudo isto seria apenas mais uma coleção de sinais sobre o estado da nossa cultura juvenil não se desse o caso de, subitamente, Bretman Rock emergir como um pioneiro: este mês, tornou-se o primeiro homem assumidamente gay a surgir na capa da Playboy (que, desde o verão de 2020, se publica apenas online). Num post do Instagram, ele próprio enaltece o simbolismo da publicação: "Ter um homem na capa da Playboy é um grande compromisso com a comunidade LGBT." Além do mais, até agora só dois homens tinham figurado na capa da revista: Hugh Hefner, seu fundador, e o rapper Bad Bunny.

Podíamos tentar diversificar o âmbito destas memórias e refletir, por exemplo, no papel que a revista teve na contracultura das décadas de 60/70, publicando autores como John Updike, Joyce Carol Oates, Doris Lessing, Kurt Vonnegut ou John le Carré. Sem esquecer, naturalmente, que comprávamos a Playboy "para ler os textos". Mas não é disso que se trata - acontece que há em tudo isto um silêncio ensurdecedor que não bate certo.

De facto, durante décadas, a Playboy foi alvo de muitos discursos normativos, denunciando aquilo que seria a degradação do género feminino. Aliás, ao lidarmos com a herança de tais discussões corremos o risco de relançar as muitas formas de histeria (ideológica e moral) que se alimentam da ideia de que a palavra "homens" define um conjunto homogéneo, estável e absurdamente esquemático, do mesmo modo que a palavra "mulheres" corresponde a um exército uno e indivisível que apenas existe para combater a malvadez congénita dos ditos "homens" - nunca entendi de que modo tal esquematismo pode ajudar a combater, por exemplo, a estupidez masculina e os crimes do machismo.

A questão que coloco é de outra natureza. Visa, sobretudo, o pântano ideológico em que a aceleração mediática - e o ilusório liberalismo das nossas sociedades "avançadas" - tantas vezes nos obriga a viver. Dito de outro modo: como e porquê, em alguns discursos, um facto classificado como degradante para uma mulher (entenda-se: posar na Playboy) se transfigura em militância redentora só porque o protagonista é, agora, um homem gay?

Há aqui qualquer coisa de cínica instrumentalização mediática. Há mesmo um conceito de gay que seria salutar questionar. No limite, esse conceito exprime-se através de formas obscenas como o discurso de um autor de telenovelas que, há mais de uma década, defendia a pertinência "social" dos seus escritos. Porquê? Porque, dizia ele, abordava dois temas fraturantes: o "aborto" e os "homossexuais". Velha lição narrativa: quando uma personagem, seja ela qual for, de sexo evidente ou obscuro, não passa de um peão incauto para "ilustrar" um tema, o mínimo que se pode dizer é que a sua irredutibilidade como pessoa está reduzida a coisa indiferente e descartável.

O que, bem entendido, não exclui o reconhecimento de que Bretman Rock, ainda que autor de uma medíocre filosofia capilar, surge na Playboy em magníficas fotografias assinadas por Brian Ziff. "Sou uma Coelhinha!", escreve ele, eufórico, no seu Instagram - já tem mais de dois milhões de likes e um deles é meu.

Jornalista

Mais Notícias

Outras Notícias GMG