Uma semana depois da erupção, o Anak Krakatoa perdeu dois terços do tamanho

Na semana passada, a Indonésia foi surpreendida por um tsunami que levou à morte de mais de 420 pessoas, depois de o vulcão Anak Krakatoa ter entrado em erupção.

O vulcão Anak Krakatoa, na Indonésia, que entrou em erupção e em colapso há uma semana, provocando um tsunami mortífero, tem agora apenas um quarto do tamanho que tinha antes da erupção, segundo cientistas que analisaram o fenómeno.

Neste momento, apresenta um volume de 40 a 70 milhões de metros cúbicos, tendo perdido entre 150 e 180 milhões de metros cúbicos de volume desde a erupção de 22 de dezembro, de acordo com o Centro de Vulcanologia e Mitigação de Perigos Geológicos (CVMPG) da Indonésia.

No Twitter, Sutopo Purwo Nugroho, relações públicas do Conselho Nacional Indonésio para a Gestão de Desastres partilhou imagens que demonstram esta mesma evolução.

A análise mostra a escala do colapso da ilha formada pelo vulcão, ilustrando o poder do tsunami que atingiu mais de 300 quilómetros de costa em Sumatra e Java e fez mais de 420 mortos e cerca de 40 mil deslocados.

O CVMPG indicou que o pico da cratera tinha 110 metros de altura na sexta-feira, quando em setembro apresentava uma altura de 338 metros.

Os especialistas têm-se baseado em imagens de satélite para tentar descobrir o que aconteceu com o vulcão, porque as nuvens, as erupções contínuas e as marés altas dificultam as inspeções.

As autoridades indonésias avisaram os residentes para se manterem um quilómetro afastados da costa no Estreito de Sunda, que separa Java e Sumatra, devido ao risco de outro tsunami. Contudo, os especialistas afirmam que outro potencial tsunami desencadeado pelo colapso do vulcão seria menos grave devido à sua massa reduzida.

O Anak Krakatoa, que significa filho de Krakatoa, é o que resta do vulcão Krakatoa, cuja monumental erupção em 1883 desencadeou um período de arrefecimento global.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG