Vírus. Proibição de sair de Wuhan apanha comunidade portuguesa de surpresa

As autoridades chinesas proibiram as entradas e saídas de Wuhan e de mais duas cidades vizinhas, por período indeterminado, com o objetivo de conter a propagação de um novo tipo de coronavírus. Uma situação que apanhou milhões de pessoas desprevenidas, na véspera do início das férias do Ano Novo Lunar.

Miguel Matos, um dos raros portugueses a residir em Wuhan, estava de malas feitas para as Filipinas quando foi impedido de partir, parte de um bloqueio que visa travar a propagação de uma nova epidemia.

"É preciso muito azar", conta à Lusa o treinador de guarda-redes do Hubei Chufeng Heli, clube que compete na terceira divisão chinesa de futebol. "Vim na quarta-feira do estágio de pré-época em Kunming (sudoeste da China), só para pegar nas malas, e hoje de manhã fui notificado que não podia sair da cidade", revela.

"Autoestradas, ligações ferroviárias e aéreas, está tudo fechado", descreve. "Não podemos sair daqui", acrescenta.

As autoridades chinesas proibiram as entradas e saídas de Wuhan e de mais duas cidades vizinhas, por período indeterminado, numa quarentena de facto que apanhou milhões de pessoas desprevenidas, na véspera do início das férias do Ano Novo Lunar.

A principal festa das famílias chinesas, equivalente ao Natal nos países ocidentais, é também a maior migração interna do planeta: segundo o ministério chinês dos Transportes dever-se-ão registar um total de três mil milhões de viagens internas durante os próximos 40 dias.

Vírus detetado num mercado de mariscos nos subúrbios de Wuhan

António Rosa, professor de Design e Arte numa escola internacional de Wuhan, também foi apanhado de surpresa: "Já estava de férias há vários dias, mas fiquei a aguardar pelas férias da minha namorada, que começam na sexta-feira, para viajarmos juntos para o Vietname".

"Se soubesse o que sei hoje já não estava aqui", diz à Lusa.

O vírus foi inicialmente detetado no mês passado num mercado de mariscos nos subúrbios de Wuhan, a capital da província de Hubei, que é também um importante centro de transporte doméstico e internacional, mas alastrou-se, entretanto, a várias províncias chinesas.

A doença foi identificada como um novo tipo de coronavírus, semelhante à pneumonia atípica, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que entre 2002 e 2003 matou 650 pessoas na China continental e em Hong Kong.

Inicialmente as autoridades chinesas reportaram apenas 41 pacientes, todos em Wuhan, e descartaram que a doença fosse transmissível entre seres humanos, mas o número de infetados aumentou rapidamente esta semana e atingiu esta quinta-feira os 616, distribuídos por 25 províncias e regiões chinesas, e matou 18 pessoas.

Miguel Matos conta que em Wuhan, a sétima maior cidade da China, com 11 milhões de habitantes, o silêncio é "total", com os "estabelecimentos encerrados e as ruas vazias".

Após a notificação das autoridades, legumes e outros bens esgotaram rapidamente nos supermercados da cidade, à medida que as famílias vão acumulando mantimentos. Nas bombas de gasolina, formaram-se também longas filas ao longo do dia.

"O que me disseram é que não está a haver excesso de zelo, mas que a situação é mesmo grave", relata um português em Wuhan

"Fomos às compras, porque não tínhamos nada aqui em casa, mas já só conseguimos comprar alguma carne", relata o treinador.

António Rosa revela que as máscaras, cujo uso é recomendado pelas autoridades para prevenir o contágio, esgotaram rapidamente nas lojas de Wuhan, e há quem se esteja a aproveitar para as vender agora por quatro vezes o preço original.

O professor diz que, por enquanto, a situação de quarentena se aguenta, mas que caso se prolongue durante semanas será "incomportável".

Miguel Matos afirma não saber quanto tempo vigorará a quarentena, mas revela que funcionários de um hospital local o informaram que se pode estender até finais de março. "O que me disseram é que não está a haver excesso de zelo, mas que a situação é mesmo grave", conta.

Imagens difundidas nas redes sociais chinesas mostram os hospitais da cidade a abarrotar de pessoas que acorreram a fazer análises clínicas. Longas filas formaram-se também no aeroporto e estação de comboios, à medida que os residentes tentaram abandonar Wuhan.

Segundo estimativas da agência Lusa, vivem em Wuhan seis portugueses.

A cidade acolhe ainda anualmente dezenas de estudantes angolanos e de outros países lusófonos na Universidade de Wuhan, uma das maiores do país na área de engenharias.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG