Sismo no Irão causou cinco mortos e 300 feridos

O número de mortos causados por um sismo de magnitude 5,9 que atingiu o noroeste do Irão na madrugada de hoje subiu para cinco, enquanto o número de feridos já ultrapassa os 300, avançaram as autoridades locais. Entretanto a BBC adianta que foram 6 os mortos causados pelo sismo.

No início da manhã, a televisão estatal iraniana dava conta de três mortos e 20 feridos. Entretanto esta foi a última declaração do chefe de serviços de emergência do Irão à televisão estatal, mencionado pela BBC: "Equipas de resgate e helicópteros foram enviados às áreas atingidas pelos sismos e os hospitais estão em total alerta para ajudar pessoas feridas. Infelizmente seis pessoas foram mortas e 345 pessoas ficaram feridas."

Segundo o Centro Sismológico do Irão, o terramoto atingiu o condado de Tark, na província iraniana do Azerbaijão Oriental às 02:17 (23:17 de quinta-feira em Lisboa), numa área que fica a cerca de 400 quilómetros de Teerão.

Mais de 40 sismos secundários sacudiram depois a região rural, situada nas montanhas Alborz, o que levou os moradores a deixar as suas casas em pânico. Ao todo foram destruídas 30 casas na zona do epicentro.

O terramoto feriu pelo menos 312 pessoas, informou a televisão estatal, adiantando que apenas 13 foram hospitalizadas.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos registou o epicentro do terramoto a 10 quilómetros de profundidade, explicando que os sismos com pouca profundidade tendem a causar mais danos.

O Irão situa-se numa região propensa a sismos e regista, em média, um terramoto por dia.

Em 2003, um sismo de magnitude 6,6 arrasou a cidade histórica de Bam, matando 26.000 pessoas.

Em 2017, um terramoto de magnitude 7 atingiu a zona ocidental do país, provocando a morte de 600 pessoas e deixando mais de 9.000 feridos.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.