"Se todos usarem máscara, a transmissão do vírus será interrompida"

Diretor do Centro de Controlo de Doenças dos EUA diz que uso de máscara é essencial para travar o contágio. Especialistas apontam que cobertura facial pode impedir milhares de mortes nos próximos meses.

Quando a pandemia chegou, as autoridades de saúde disseram que não - que não era necessário usar máscaras. Mas, em poucas semanas, tudo mudou e hoje, um pouco por todo o mundo, a mensagem passou a ser a inversa: é mesmo necessário usar máscara. Agora, parece quase consensual ser obrigatório recorrer a máscaras faciais se o objetivo for proteger a economia, reabrir as escolas e salvar dezenas de milhares de vidas.

"Se todos nós usarmos máscaras faciais nas próximas quatro, seis, oito, 12 semanas em todo o país, a transmissão do vírus será interrompida", disse Robert Redfield, diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) norte-americano.

Nos EUA a utilização de máscara é vista como essencial, seguindo uma norma que já está a ser aplicada em muitos países, que seguem agora o exemplo inicial da Ásia. Em França, a partir de hoje, é obrigatória em todos os locais públicos fechados e, de forma ainda mais rigorosa, a maioria das regiões autónomas de Espanha impôs que a máscara seja obrigatória mesmo em espaços ao ar livre. Países como Portugal colocaram em vigor o uso de máscaras em espaços fechados e transportes públicos, o que acontece um pouco por toda a Europa.

Mas, nos EUA, o presidente Donald Trump disse que não considera uma ordem federal para o uso de máscara facial, citando declarações desatualizadas feitas há vários meses. "O dr. Fauci disse que não usa máscara. O nosso cirurgião geral disse que não usa máscara. Todo o mundo dizia que não usa máscara", disse Trump a Chris Wallace, da Fox News, no domingo. "De repente, todo o mundo tem que usar uma máscara. E como se sabe as máscaras também causam problemas. Com isto dito, posso dizer que acredito em máscaras. Acho que as máscaras são boas", afirmou Trump.

É verdade que em fevereiro e março, autoridades de saúde como Anthony Fauci e o cirurgião-geral dos EUA, Jerome Adams, aconselharam o público em geral a não usar máscaras.

Mas Fauci, Adams, o CDC e a Organização Mundial da Saúde fizeram uma mudança de orientação com a máscara. Nos últimos meses, os cientistas aprenderam mais sobre a facilidade com que este novo coronavírus pode disseminar-se.

Atualmente sabe-se que este vírus pode espalhar-se quando se está em conversa ou mesmo a respirar. Como se trata de um coronavírus é altamente contagioso, se não existirem esforços de mitigação, como ordens para ficar em casa, cada pessoa com o coronavírus infeta uma média de duas a três outras pessoas. Isso torna-o duas vezes mais contagioso que a gripe.

Por outro lado, é fácil espalhar a covid-19 sem nenhum sintoma, seja por portadores assintomáticos ou pré-sintomáticos. Sabe-se que o longo período de incubação - até 14 dias - dá uma ampla janela de oportunidade para as pessoas infetarem outras, antes mesmo de saberem que estão infetadas. Além disso, podem ser mais contagiosas nas 48 horas antes de apresentarem sintomas, tornando a transmissão ainda mais cega.

Em suma, não são apenas as pessoas que espirram e tossem que podem espalhar o novo coronavírus. Muitas vezes, parecem completamente normais e não têm febre. "As coberturas para o rosto destinam-se a proteger outras pessoas, caso o utilizador esteja inconscientemente infetado, mas não tenha sintomas ", afirmou o CDC.

Para este organismo, atualmente, todos "devem usar uma máscara quando estiverem em público, por exemplo, no supermercado". E os benefícios estendem-se a quem usa a máscara. "A cobertura da sua máscara pode protegê-lo", assegura o CDC.

Se 95% dos americanos usarem máscaras em público, isso poderá impedir mais de 45.000 mortes até 1 de novembro , segundo o Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington.

"As pessoas precisam saber que usar máscaras pode reduzir a transmissão do vírus até 50%, e aqueles que recusam estão a colocar em risco as suas vidas, as suas famílias, amigos e comunidades", disse Christopher Murray, diretor. do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde, citado pela CNN, excluindo apenas dois grupos da necessidade de uso de máscara facial: crianças menores de 2 anos e pessoas com problemas respiratórios.

Nesta altura, mais de duas dezenas dos 50 estados norte-americanos têm em vigor o uso de máscara facial em público. "É uma intervenção incrivelmente simples, barata e eficaz, tanto para indivíduos como para comunidades", disse Christopher Murray.

Mais Notícias